BRAGA

BRAGA -

Taxa de resíduos. PCP Braga desmente acusações de Rui Morais e exige que se “retrate publicamente”

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Organização Regional Braga PCP condena as declarações “irresponsáveis” de Rui Morais, presidente do conselho de administração da Agere – Empresa de Águas, Efluentes e Resíduos de Braga por afirmar que o aumento da taxa de gestão de resíduos já em 2020 acontece por “culpa da chamada geringonça”.

Em comunicado ao PressMinho/OVilaverdense/OAmarense, os comunistas reportam que última reunião de Câmara, no âmbito da discussão do relatório de contas da Agere, Rui Morais “acusou, sem hesitação, num acto revestido de ataque político-partidário, vários partidos, entre os quais o PCP, pela duplicação da referida taxa, o que, nas suas palavras, representaria um aumento na ordem dos 10% no tarifário aplicado aos bracarenses”.

“O que é facto indesmentível é que a proposta, iniciativa do PAN de alteração ao Orçamento do Estado, que duplicava a taxa de gestão de resíduos, mereceu a rejeição do PCP”.

PUBLICIDADE

Num primeiro momento, em sede de Comissão, efectivamente, a proposta foi, relata o PCP, aprovada, ainda que com o voto contra do PCP, com os votos favoráveis do PAN, PS, BE, Iniciativa Liberal e Chega, contudo, na votação final em plenário, “a proposta acabou rejeitada, uma vez que o PS alterou o seu sentido de voto”. 

“O que é facto indesmentível é que a proposta, iniciativa do PAN de alteração ao Orçamento do Estado, que duplicava a taxa de gestão de resíduos, mereceu a rejeição do PCP”.

“Num primeiro momento, em sede de Comissão, efectivamente, a proposta foi aprovada, ainda que com o voto contra do PCP, com os votos favoráveis do PAN, PS, BE, IL e CH. “Contudo, na votação final em plenário, a proposta acabou rejeitada, uma vez que o PS alterou o seu sentido de voto”.

“Não só o PCP votou contra o aumento da taxa de gestão de resíduos, como essa proposta acabou por ser rejeitada no plenário da Assembleia da República”, explica, anexando o link do Parlamento (https://www.parlamento.pt/OrcamentoEstado/Paginas/DetalhePropostaAlteracao.aspx?BID=11878)-

Ou seja, as declarações de Rui Morais “são falsas em toda a linha”. 

O PCP justifica o seu voto contra essa proposta, “não porque não esteja consciente da necessidade de se incentivar a reciclagem, mas porque entende que isso não pode ser feito à custa do aumento da factura paga pelos cidadãos”.

Perante a gravidade da acusação e pela reposição da verdade, o PCP condenar as “declarações irresponsáveis” de Rui Morais, exigindo que se “retrate publicamente”.

Legenda: PCP exige que Rui Morais (na foto) se retrate publicamente

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS