REGIÃO

REGIÃO -

Trabalhadores de pousada de Guimarães acusam Pestana de transferência ‘à força’ para Viana do Castelo

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Os trabalhadores da pousada de Guimarães acusam o grupo Pestana de transferir à força vários funcionários para outros hotéis por ter decidido fechar a pousada, mas o presidente da empresa nega, afirmando que as unidades estão a abrir progressivamente.

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte (STIHTRSN) denuncia, em comunicado, que “a maioria dos trabalhadores estão a ser transferidos para a Pousada Monte Santa Luzia, em Viana do Castelo, mas também para as pousadas São Bento, na Caniçada, e Santa Maria do Bouro”.

O sindicato aponta que o grupo Pestana “está a transferir todos os trabalhadores, incluindo mães solteiras com filhos de seis anos de idade e trabalhadores que têm a seu cargo idosos com mais de 90 anos”, acrescentando que a empresa “obriga os trabalhadores a pernoitarem na pousada para onde são transferidos durante toda a semana, pagando apenas os transportes no dia de folga dos trabalhadores”.

PUBLICIDADE

Os trabalhadores, reunidos em plenário, decidiram não aceitar mais transferências e apresentarem-se sábado ao serviço, mas, segundo o sindicato, já encontraram a pousada encerrada.

Segundo adianta, o sindicato pediu a intervenção da Câmara de Guimarães, considerando que o grupo Pestana está a desvalorizar o turismo no concelho e na região, e pediu ao presidente da autarquia que interceda para acabar com pressão da empresa sobre os trabalhadores e para que “reabra de imediato” a pousada.

Além disso, acrescenta, o sindicato também solicitou a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), pedindo que “levante autos de notícia por encerramento ilícito” e peça ao Ministério Público a abertura de um processo crime.

O grupo Pestana “está a desviar os clientes desta pousada para outras e a transferir trabalhadores com o único objectivo de justificar prejuízos e recorrer a apoios do Estado”, acusa o sindicato.

Salienta ainda que “a decisão da empresa, além de ilegal, representa uma violência para os trabalhadores, já que a pousada de Viana do Castelo fica a mais 80 quilómetros da residência dos trabalhadores” e que o grupo Pestana Pousadas, que explora as Pousadas de Portugal, “decidiu encerrar a Pousada Santa Marinha da Costa de Guimarães, tendo transferido ‘à força’ 10 dos 32 trabalhadores e dado ordem de transferência a mais quatro”.

PESTANA NEGA

O grupo Pestana respondeu à acusação em carta enviada ao presidente do sindicato, a que a Lusa teve acesso, negando qualquer ilegalidade, e referindo que as pousadas têm vindo a reabrir gradualmente e que a de Guimarães “irá reabrir tão brevemente quanto seja possível”.

Na carta, o presidente da Grupo Pestana Pousadas, Luís Castanheira Lopes, começa por dizer que a “inactividade da pousada não se deve a qualquer intenção de provocar seja que situação for pois a partir de hoje [sábado]  mesmo a GPP (Pousadas de Portugal) já não se encontra em situação de lay-off simplificado, nem vai recorrer ao incentivo à retoma progressiva”.

Referindo que “como, aliás, é do conhecimento do sindicato, as pousadas têm vindo a reabrir gradualmente, começando por Viana do Castelo, abrindo depois a Pousa do Gerês e a seguir a Pousada de Amares”, adianta que a de Guimarães “irá reabir tão brevemente quanto seja possível” e que tudo estão “a fazer para o efeito”.

Enquanto a Pousada de Guimarães não reabre, “estamos a analisar com cada um dos trabalhadores a possibilidade da sua deslocação temporária para a prestação de serviço nas outras três pousadas mencionadas e estamos a fazer isso com a estrita observância da lei, Código do Trabalho, e do Acordo de Empresa, de que o senhor presidente [do sindicato] foi um dos subscritores e, por isso, sabe que o permite”, prossegue Luís Castanheira Lopes.

O presidente do Grupo Pestana Pousadas refere também que “está marcada para quarta-feira próxima uma reunião da GPP com a FESAHT, na qual esse sindicato se integra” e propõe “que se aproveite a oportunidade para analisar este assunto por forma a que possa ainda mais cabalmente ser evidenciada a plena regularidade dos procedimentos” que estão a ser adoptados.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS