BRAGA

BRAGA -

Trabalhadores dos TUB exigem que a Câmara de Braga pague o trabalho feito na vigência da semana de 40 horas

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Cerca de meia centenas de trabalhadores dos TUB – Transportes Urbanos de Braga puseram, no início de Maio, uma acção no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga pedindo a revogação da decisão camarária que os obrigou a fazer 40 horas de trabalho semanal, entre 2014 e 2016.

Os funcionários dos TUB, a maioria deles motoristas, não foram abrangidos pelo acordo celebrado em 2020 entre a Câmara e o STAL- Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local por causa das 40 horas e que obrigou o Município a pagar faseadamente, até 2022, um total de três milhões de euros, aos seus funcionários. Querem, por isso, ter um acordo semelhante e receber o dinheiro das horas feitas a mais, naquele período.

PUBLICIDADE

Contactado a propósito, o administrador dos TUB, Teotónio dos Santos, disse ao Vilaverdense que a empresa municipal pagará o que vier a ser determinado pelo Tribunal, salientando que não pode fazê-lo sem uma decisão nesse sentido.

Já o dirigente local do STAL, Baltazar Gonçalves, explicou que espera uma sentença igual à que considerou ilegal a imposição das 40 horas nos serviços da Câmara: “há aqui uma discriminação. Os da Câmara foram ressarcidos e os dos TUB e da AGERE ficaram sem nada”, lamentou.

O sindicalista diz que “os direitos laborais são iguais para todos”, o que o leva a dizer que “a luta pelo pagamento dessas horas, não cessa enquanto o assunto não for resolvido”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.