BRAGA

BRAGA -

Três enfermeiros e 100 pares de sapatos “manifestam-se” pela profissão

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Uma centena de enfermeiros fez-se esta terça-feira representar por sapatos numa manifestação em Braga pela valorização da carreira, face à impossibilidade da presença física por se encontrarem na linha da frente do combate à pandemia de Covid-19.

Na manifestação, em que estiveram presentes apenas três enfermeiros, também havia sapatos dos filhos de muitos daqueles profissionais, para simbolizar o afastamento familiar a que a pandemia tem obrigado, face ao risco de contágio.

Guadalupe Simões, dirigente nacional do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, explicou que o objectivo foi, mesmo num quadro de constrangimento resultante da covid-19, assinalar o Dia Internacional do Enfermeiro e voltar a colocar na agenda do Governo “todas as questões por solucionar”, com destaque para a valorização da carreira.

PUBLICIDADE

“A carreira actual é um retrocesso relativamente às que temos, não permite o desenvolvimento profissional e salarial dos enfermeiros”, referiu.

A dirigente sindical aludiu aos 20 mil enfermeiros cujos pontos não foram contabilizados para efeitos de progressão na carreira, o que se traduz em “20 anos de trabalho deitados fora, por parte deste Governo”.

Enfermeiros especialistas cuja carreira não é valorizada é outra das críticas do sindicato, que diz ainda ser “inadmissível” a disparidade de pagamento aos enfermeiros infetados com covid-19, com os que têm contrato de trabalho em funções públicas a receberem 100% e os que têm contrato individual de trabalho apenas 75%.

Para Guadalupe Simões, é gratificante ouvir a sociedade a chamar heróis aos profissionais de saúde e ter o reconhecimento público do ministério da tutela, do Governo e do Presidente da República, mas é também “mais do que justo que isso seja materializado em algo mais”.

“Nomeadamente, na questão do risco e da perigosidade da profissão”, sublinhou, lembrando que em Portugal há cerca de 800 enfermeiros infectados com covid-19 e que no mundo já morreram quatro centenas daqueles profissionais.

O Dia Internacional do Enfermeiro é celebrado anualmente, de forma simbólica, pelo nascimento de Florence Nightingale, a ‘Dama da Lamparina’, também conhecida como fundadora da Enfermagem Moderna e primeira mulher a receber ordem de mérito.

Em 2019, a Organização Mundial de Saúde definiu 2020 como o Ano Internacional do Enfermeiro, por passarem 200 anos sobre nascimento de Florence Nightingale.

“Hoje, por causa da pandemia de covid-19, sabemos que há uma consciência maior da população sobre o papel dos enfermeiros, mas é preciso que essa consciência também chegue aos governantes, com vista à dignificação da carreira”, disse ainda Guadalupe Simões.

 

Foto Hugo Delgado

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.