JUSTIÇA -

JUSTIÇA - -

Tribunal ouve alegações finais de caso de mulher de Vila Verde que se diz vítima de violência doméstica

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Tribunal de Braga escuta hoje as alegações finais, do Ministério Publico, e dos advogados de defesa e de acusação, no final do julgamento de um caso de alegada violência doméstica sobre uma mulher de Vila Verde, de nome Ana.

Ao Vilaverdense/PressMinho, a jurista Mariana Agostinho, do escritório de João Magalhães, adiantou que vai pedir, não só a condenação do arguido, mas também uma medida que o impeça de a contactar.

É previsível que a defesa peça a absolvição, na linha do que tem defendido em julgamento, isto é, que não houve crime de violência
doméstica.

PUBLICIDADE

Conforme temos vindo a noticiar, a queixosa diz-se vítima de perseguição pelo ex-companheiro, o qual está a ser julgado pela segunda vez em Braga, por violência doméstica. A Ana foi ouvida há dias pela APAV- Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, por indicação do Ministério Público de Braga, com vista a uma eventual imposição de novas medidas de coação ao ex-companheiro. Este estava com pulseira electrónica, para se determinar se cumpria a ordem judicial de não se aproximar dela, mas a media acabou por expirar, já que já se cumpriu um ano.

A mulher pedira, entretanto,  a alteração das medidas de coação que lhe foram impostas, e a sua prisão preventiva.

Em requerimento, aquela  advogada  pediu ao Ministério Público que a medida de proibição de aproximação da vítima, imposta ao arguido, de apelido Silva, seja substituída por prisão preventiva.

MEDO

Há dias, e antes da terceira sessão do julgamento, a mulher disse à TVI que o seu «ex» a persegue: “não ando à vontade , não posso ir a
lado nenhum porque ele aparece, violando a medida que lhe foi imposta pelo Tribunal”, disse.

Já o jurista João Magalhães disse ao Vilaverdense/PressMinho que o homem é suspeito de ter, ao todo, importunado três mulheres: a Ana, uma outra de nacionalidade brasileira e a atual que, há dias se queixou na GNR de Prado de ter sido vítima de violência doméstica.
Em 2018, o caso foi a julgamento em Vila Verde, tendo o arguido sido absolvido. O julgamento está a ser repetido por ordem do Tribunal da Relação de Guimarães.

No passado dia 13, quarta-feira, a GNR de Prado informou o Tribunal de que a alegada vítima, sua ex-mulher, apresentou queixa por o arguido se ter aproximado dela, junto ao carro onde estava, violando a imposição judicial que lhe está imposta. E apresentou uma testemunha ocular. A GNR confirmou, junto do Instituto de Reinserção Social, através dos registos da pulseira eletrónica, que tal era verdade.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.