JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Vila Verde. Acareação de Vilela e gestor da Caixa Agrícola marca sessão de julgamento do caso EPATV

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A acareação entre o ex-autarca António Vilela e José Santos Soares, presidente do conselho de administração da Caixa de Crédito Agrícola de Vila Verde, marcou esta segunda-feira mais uma sessão do julgamento do caso da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV), a decorrer no Tribunal de Braga. O bancário voltou a mudar de versão.

Por solicitação de Artur Marques, advogado de defesa do antigo presidente do município vilaverdense, a acareação pretendeu confrontar as versões contraditórias e “profundamente divergentes” sobre o papel do autarca no processo de aprovação da garantia bancária da Caixa de Crédito Agrícola (CCA) de meio milhão de euros.

PUBLICIDADE

O resultado da acareação foi o esperado. Vilela negou ter tido qualquer influência naquele processo, contrariando o administrador bancário, que momentos antes afirmara que “o interesse e empenho” demostrado por António Vilela tinham sido “determinantes” para a concessão da garantia, que permitiria o aumento do capital social da escola.

O gestor reafirmou ainda ter mantido “conversas” com Vilela e com os outros dois arguidos: Rui Silva, ex-vereador vilaverdense, e João Luís Nogueira, director da EPATV.

“Sem o interesse e o empenho demonstrado nessas conversas, a garantia bancária de 500 mil euros não teria sido concedida”, frisou, referindo ainda que “o aval de Rui Silva foi também decisivo”.

“Conhecemos bem o histórico [na CCA] e o património de Rui Silva, que já era habitual ser avalista”, explicou o bancário.

Com estas declarações, José Santos Soares retomou a versão dada antes à PJ e ao Ministério Público. Na última sessão do julgamento, o responsável da CCA vacilara frequentemente nas afirmações, chegando mesmo a entrar em contradição.

Questionado pelo juiz e pela procuradora da República sobre as diferentes versões, José Santos alegou que o dia daquela sessão tinha sido um “dia muito mau”, devido a “graves problemas de familiares”.

Negou que tivesse sido censurado por ter dado o seu aval à garantia pelos serviços centrais da instituição de crédito.

“A CCA averiguou e considerou que o nosso procedimento foi o correcto e o normal”, assegurou.

GARANTIR QUALIDADE

O tribunal ouviu também esta segunda-feira o ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro, Joaquim Cracel.

Questionado com minúcia pela procuradora sobre todo o processo de privatização da EPATV, Cracel lembrou que, face à lei 50/2012 emanada do Governo de Passos Coelho, as autarquias não podiam manter empresas municipais deficitárias, tendo as câmaras de Terras de Bouro, Vila Verde e Amares decidido conjuntamente vender em 2013 os seus 51% a uma empresa ou investidor capaz de a gerir, mas de acordo com os propósitos que presidiram à sua criação, a de ser um polo de ensino profissional nos três concelhos.

“A nossa preocupação foi igualmente que a escola fosse para um concorrente com reputação e que assegurasse a qualidade do projecto pedagógico”, explicou.

Também o ex-autarca de Amares, José Barbosa, foi ouvido, com declarações idênticas às do seu homólogo de Terras de Bouro, sublinhando que “tudo foi transparente”.

Recorde-se que o ex-presidente da Câmara de Vila Verde, António Vilela, está acusado de crimes de corrupção passiva, prevaricação e participação económica em negócio; Rui Silva de corrupção passiva e prevaricação; e João Luís Nogueira de corrupção activa e participação económica em negócio).

A acusação considera que Vilela e Rui Silva fizeram um concurso público pensado para beneficiar a empresa Val D’Ensino, de que Nogueira é proprietário, constituída cerca de um ano antes com um capital social de mil euros

A escola nasceu em 1999 com 399 mil euros: Vila Verde investiu 199 mil (50 por cento), Amares 119 mil (30%) e Terras de Bouro 79 mil (20%).

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.