JUSTIÇA –

JUSTIÇA – -

Vilaminho volta a recorrer ao tribunal contra a Câmara de Braga no caso das Sete Fontes

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A firma Vilaminho – Inovação Imobiliária decidiu apresentar uma intimação judicial contra a Câmara Municipal de Braga, no Tribunal Administrativo e Fiscal, por entender que “no processo de licenciamento da vedação de um terreno nas Sete Fontes, o município está a violar o Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação em vigor”.

Em comunicado, diz que “em causa está o facto de a Vilaminho não conseguir obter uma licença para vedar um dos seus terrenos no local, denominados Bouça das Chedas, junto ao Hospital, esperando, há mais de ano e meio, que a Câmara aprove ou chumbe o pedido de licenciamento”.

PUBLICIDADE

Uma acção de intimação à prática de acto – acrescenta – “é um instrumento jurídico que tem por objetivo obrigar a Câmara a pronunciar-se e a justificar a sua posição, já que ainda não o fez, ignorando os sucessivos pedidos da Vilaminho”.

“Vedar o seu terreno é um direito que assiste à Vilaminho. Se um terreno não está vedado não é de ninguém”, argumenta o empresário Ermelando Sequeira, da Vilaminho.

INSTITUTO DO PATRIMÓNIO APROVA

De acordo com a fonte, o IGESPAR (Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico) – organismo interessado no processo em função de o Ministério da Cultura tutelar o monumento nacional das Sete Fontes, localizado nas imediações do terreno – já deu o seu parecer positivo às pretensões da Vilaminho, em setembro de 2017, sob a condição de os trabalhos serem realizados com acompanhamento de um arqueólogo devidamente autorizado, cujos custos a empresa assume.

Contudo, a realização da obra requer a aprovação municipal.

O processo de licenciamento foi iniciado em 6 de julho de 2017, mas tem assumido contornos caricatos, uma vez que a Câmara, que tinha a obrigação de submeter todos os documentos à Direção Regional de Cultura do Norte, terá perdido alguns dos papéis necessários, acabando por ter sido a Vilaminho a reenviar diretamente para o organismo governamental os documentos que antes entregara no município.

AS REVELAÇÕES DO VEREADOR

Outro episódio estranho aconteceu ainda em 2017, quando o empresário Ermelando Sequeira se viu na obrigação de pedir uma audiência ao vereador do Urbanismo, Miguel Bandeira, para perceber por que é que o autarca não tomava qualquer decisão quanto ao processo de licenciamento apresentado pela Vilaminho.

No dia 12 de dezembro de 2017, Ermelando Sequeira foi recebido por Miguel Bandeira, tendo o autarca transmitido a sua oposição à vedação e prometido fazer tudo para retirar esse direito aos proprietários de terrenos nas Sete Fontes.

“O senhor vereador foi claro ao dizer que não queria que o terreno fosse vedado: ‘Eu não quero que você vede o terreno”, disse ele, tendo eu pedido que ele justificasse por escrito.

A Vilaminho não se conforma e, por isso, “em último recurso”, decidiu  agora avançar para o tribunal: “Até um diretor da Direção Regional de Cultura do Norte me disse que vedar o terreno é um direito que a Vilaminho tem”, recorda Ermelando Sequeira, explicando que foi com o propósito de sinalizar a sua propriedade que a Vilaminho decidiu vedar as suas duas parcelas de terreno que possui nas Sete Fontes.

Contactado por “O Vilaverdense/PressMinho”, Miguel Bandeira não quis comentar.

“UM PROFUNDO DESRESPEITO”

Contudo, se para vedar a primeira parcela foi o cabo dos trabalhos, para vedar a segunda parcela estão a surgir mais dificuldades. “A  documentação para o licenciamento da segunda vedação está completa,  mas o vereador do Urbanismo não despacha. Ao fim de mais de um ano ainda não decidiu. O problema é que não responde. É um profundo desrespeito pelos munícipes”, comenta Ermelando Sequeira.

A finalizar, o empresário aponta novamente o dedo ao vereador do Urbanismo, Miguel Bandeira: “O que sabemos é pelos técnicos municipais, que nos dizem que a documentação apresentada está conforme a lei. Penso que só falta a vontade do senhor vereador, que não pode ignorar a lei e o direito que Vilaminho tem de vedar seu terreno”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.