JUSTIÇA - 20 anos de prisão para “arrumador” que matou parceiro de casa em Barcelos

JUSTIÇA -
20 anos de prisão para “arrumador” que matou parceiro de casa em Barcelos

Condenado a 20 anos de prisão por homicídio qualificado. Mas ainda pode recorrer da decisão judicial. Foi esta a pena aplicada pelo Tribunal coletivo de Braga a Inácio Filipe Ferreira Bessa, de 42 anos, que assassinou à facada um homem, João Carlos Barbosa, com quem residia na chamada Quinta do Brasileiro, em Arcozelo, Barcelos.

O crime, que ficou conhecido como “dos arrumadores” – tarefa de angariação de moedas a que ambos se dedicavam – ocorreu a 24 de Setembro de 2017 num anexo em estado de degradação onde moravam.

PUBLICIDADE

O colectivo de juízes deu como provado que, em Setembro de 2017, João Barbosa, o primeiro residente do casebre, pediu a Inácio Bessa que saísse, pois tinha começado a namorar.

Exigência que repetiu no dia do crime. «Tens que sair, quero trazer a Lurdes», disse.

Confrontado com a exigência, Bessa sacou de uma faca com um cabo de 12 centímetros e uma lâmina de 14, e espetou-lha nas costas.

«Ah, filho da p… que me mataste», exclamou a vítima, que tentou fugir, mas levou dois outros golpes profundos nas costas que lhe causaram lesões graves nos pulmões e lhe provocaram a morte.

Os juízes tiveram em atenção, na valoração da pena, o facto de o homicida não ter dado qualquer hipótese de defesa à vítima, que caiu «ensanguentada e prostrada».

No dia seguinte ao do crime, um grupo de moradores da zona, farto de viver junto a um local de venda de estupefacientes, revoltou-se contra a presença do assassino na casa e expulsou um toxicodependente que ali se dirigia para comprar drogas.

Nesse entretanto, Bessa foi fazer «mais umas moedinhas» a arrumar carros e entregou-se à Polícia. Em julgamento, confessou o crime. E teve, ainda, como atenuante o facto de ser delinquente primário.