OPINIÃO

OPINIÃO -

A (in)transparência do ranking das escolas…

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Opinião de João Graça

 

Pasmado!

PUBLICIDADE

Reação perante alguns incautos que vociferam os resultados das suas escolas. Verdadeira trapalhada de incoerências e de pequenez intelectual perante esta nova escola que se está a construir. Estes, que usam estes resultados para “tentarem” projetar as suas escolas, reveem-se num modelo de escola “démodé”, do século passado, que não prepara os nossos jovens para este mundo global, competitivo e em constante mutação. Esta nova escola, que se pretende, não obedece a uma listagem, bem organizada, de números e classificações, ordenada do “melhor”  para o “pior”, onde o professor é dono do conhecimento, numa lógica classificativa, de testes, de completa indiferença à forma de aprender de cada um, assente em currículos “uniformes, de tamanho único, pronto a vestir” (Formosinho, 1985).

O ranking premeia aqueles que apostam numa lógica de repetição, treino, de uma escola de elites, que garante apoios pedagógicos externos (ditas explicações) e que, claramente, provêm de um ambiente social mais favorecido.

São admiráveis as palavras do Senhor Secretário de Estado da Educação, Doutor João Costa, no concernente ao interesse e valoração dos referidos rankings: “Já não vale muito a pena repisar a sua inutilidade. Não mostram a qualidade das ofertas educativas, refletindo mais o contexto do que o mérito. Não mostram o trabalho efetivo das escolas em que lutar contra o abandono e a exclusão é um trabalho muito mais árduo e frutífero do que a conquista da centésima no exame, resumida à verificação de que a explicação extraescolar funcionou. Não revelam que os alunos migrantes aprenderam o alfabeto romano e hoje falam português e chegam longe numa corrida desigual. Uma lista seriada em que se fazem reportagens com o top 20 sem se comentar a variabilidade aleatória do meio da tabela.”

Pois bem, a Escola Secundária de Vila Verde encontra-se acima do meio da tabela, numa tabela “classificativa”, como se a escola fosse uma competição, num confortável 214º lugar, em mais de 600 escolas, conseguindo, até, superar muitas das escolas de referência do distrito de Braga, que o vão continuar a ser.

Esta classificação muito pouco diz ou representa do trabalho árduo e afincado da nossa escola.

Assumimos, desde sempre, que não ambicionamos uma escola assente numa dimensão unidimensional – o currículo. Apregoamos uma escola inclusiva e cultural, em que nos revemos num aluno como pessoa, como ser social, onde pode dar azo à sua criatividade, em que o processo de construção do seu conhecimento não é um processo de ingurgitamento de saberes, mas um processo reflexivo, partilhado, que se faz com todos.

Importa é pensar que, ao longo dos últimos anos, conseguimos garantir uma oferta formativa alargada, permitindo aos nossos filhos não estar sujeitos a deslocações cansativas para outros concelhos, e que vai ao encontro dos seus reais interesses, pensando naqueles que pretendem seguir um percurso escolar universitário/ politécnico ou garantir um lugar no mercado de trabalho.

Importa é garantir que os nossos alunos no final da escolaridade obrigatória adquiram um conjunto de competências (e valores) para o seu prosseguimento de estudos/ ingresso no mercado de trabalho, cada vez mais validadas pelas empresas (e pela vida) – as designadas “soft skills”. Esse é claramente o objetivo abnegado dos nossos professores, num trabalho hercúleo, que diariamente procuram desenvolver e potenciar nos nossos alunos as ditas competências/ valores. É essencial, na escola de hoje, potenciar a comunicação, o pensamento crítico e criativo, o saber científico, o raciocínio, a capacidade de relacionar em grupo e de colaborar. Para isso, a escola valoriza o desenvolvimento de projetos interdisciplinares de caráter local e regional, a integração de clubes, projetos e biblioteca nas atividades letivas. É fundamental promover valores de cidadania, de participação, de responsabilidade, de respeito, de curiosidade pelo saber, de igualdade, de solidariedade, de liberdade, no sentido de garantir melhores cidadãos, evitando a proliferação de movimentos demagógicos e populistas que apenas pretendem destruir a sociedade democrática.

Há alguma tabela classificativa para validar a posição das escolas que garantem, diariamente, estes ideais de cidadania, liberdade, solidariedade, respeito e de responsabilidade? Não!

Há alguma tabela classificativa para as escolas que desenvolvem nos seus alunos competências para responder a este mundo com realidades cada vez mais efémeras, com mudanças bruscas e que requer respostas prontas e capacidade de adaptação? Não!

Há alguma tabela classificativa que indique o nível de apoio emocional que se dá a cada aluno, fazendo-o sentir incluído e acompanhado nas diferentes dimensões da sua vida? Não! 

Sei que me vou repetir, mas nunca é demais! Importa, pois, preparar os nossos jovens para navegarem em mares nunca dantes navegados, desenvolvendo e garantindo competências e valores que lhes permitam fazer frente aos Adamastores e resgatar um futuro aqui e, se necessário, além da Taprobana.

Nós fazemos esse trabalho!

Aproprio-me das palavras do meu colega Filinto Lima “De uma vez por todas, que caia a máscara desta adversa tabela classificativa, que de forma viral pode iludir os mais incautos, na ânsia, pouco ética ou criteriosa, de só pretender valorizar a ínfima parte de um todo, escolhendo contagiar (dando um retrato distorcido), ao contrário de sinalizar as melhorias que têm ocorrido numa Educação que se afirma, passo a passo, Valente e Imortal!”

Neste presente e passado pandémico ficamos no topo do ranking da capacidade de resposta ao inesperado, onde todos estiveram ao mais alto nível perante as exigências de um [email protected] e, posteriormente, à retoma do ensino presencial, com uma enorme capacidade de adaptação a novas realidades, onde mostramos a nossa força, voluntarismo e a capacidade de fazer bem.

Tudo isto foi possível porque somos “Uma Escola que se faz com TODOS!

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS