JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Acusado de furtos em escolas e lojas de Braga para arranjar dinheiro para droga confessa crimes

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Um homem acusado de 23 furtos a estabelecimentos comerciais e escolas de Braga confessou esta quarta-feira a quase totalidade dos crimes, assumindo que o objectivo era arranjar dinheiro para comprar droga.

No início do julgamento, que decorreu no Centro Cívico de Palmeira, em Braga, por causa dos condicionalismos decorrentes da pandemia de covid-19, o arguido, de 42 anos, disse que apenas não se lembrava de ter praticado um dos furtos.

PUBLICIDADE

Questionou, ainda, o valor das quantias que conseguiu com alguns furtos.

“QUERO MUDAR DE VIDA”

“Andava perdido”, disse, manifestando-se arrependido e pedindo desculpa a todos os lesados.

O arguido, que na altura dos factos vivia na rua, disse ainda precisar de um “tratamento sério” para se livrar da toxicodependência e abandonar de vez o mundo do crime.

“Quero mudar de vida”, afirmou em tribunal, pedindo que lhe seja dada uma oportunidade.

O homem já tinha sido condenado a 10 anos de prisão por crimes idênticos, tendo sido posto em liberdade condicional em Maio de 2019.

Os furtos agora em julgamento decorreram entre 7 de Fevereiro e 8 de Junho de 2020, muitos deles durante o confinamento obrigatório e encerramento do comércio decretado no âmbito do combate à pandemia de covid-19.

Alguns dos alvos foram o Centro de Estimulação Intensiva em Neurologia, uma agência de viagens, uma sex shop, uma clínica dentária, uma costureira, supermercados, hotéis, lavandarias self-service e pastelarias.

As escolas secundárias D. Maria II e Alberto Sampaio também foram assaltadas, tendo aqui as “atenções” recaído sobre as caixas das moedas das mesas de matraquilhos.

Sete dos furtos foram na forma tentada.

No assalto à agência de viagens, o arguido ameaçou e agrediu o dono do estabelecimento.

Por isso, o arguido responde ainda por um crime de ameaça agravada e um crime de ofensas à integridade física.

No total, e segundo o Ministério Público (MP), os assaltos “renderam” mais de 9.200 euros, entre dinheiro e artigos vários, sobretudo electrónicos.

Em dois dos assaltos, terá participado um outro homem, também arguido no processo mas que hoje esteve ausente do julgamento.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS