BRAGA

BRAGA -

AGERE acaba com sacos do lixo na rua com sistema subterrâneo de recolha

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A AGERE, Empresa de Águas, Efluentes e Resíduos de Braga, acaba de lançar um sistema inovador e único em Portugal para a recolha de resíduos sólidos urbanos. O novo sistema, que representou um   investimento de 6,2 milhões de euros, permite realizar de uma forma “mais rápida, eficaz e sustentável” a recolha de resíduos urbanos.

Trata-se – diz a empresa – “de um sólido investimento na modernização  do sistema de recolha, com benefícios para o meio ambiente e para a saúde pública da população”.

PUBLICIDADE

Com o novo sistema, o lixo passa a ser depositado em contentores, substituindo o modelo de colocação de sacos na rua e eliminando assim este impacto negativo ambiental. Será também possível a colocação do lixo a qualquer hora do dia, sem constrangimentos de horário, e os contentores vão estar a uma distância máxima de 100 metros de cada casa. Recorrendo a viaturas específicas, os mesmos serão lavados e higienizados, regularmente, no próprio local.

O novo está a ser implementado de forma faseada pela AGERE, sendo adaptado às características de cada zona, nomeadamente os acessos e a densidade populacional.

Para 2018, a AGERE prevê ainda investir cerca de 1 milhão de euros em sistemas complementares, tais como a separação de resíduos urbanos biodegradáveis (RUB) no centro histórico.

“A introdução do sistema, que não terá qualquer impacto na tarifa, só foi possível devido à gestão rigorosa da AGERE nos últimos anos. O investimento realizado coloca o concelho na vanguarda internacional da recolha de resíduos. Permite, ainda, melhorar a eficiência e a qualidade do serviço, assim como as condições de trabalho dos nossos colaboradores”, refere, a propósito, Rui Morais, Presidente da AGERE.

Para, Ricardo Rio,  Presidente do Município, “este é o resultadode uma política amiga dos cidadãos e do ecossistema. Marcámos a diferença na nova forma de governação da cidade, com a AGERE a prestar um serviço social público relevante e ajustado às necessidades da população e com investimentos coerentes com a cidade de referência europeia que somos”. O autarca salientou ainda que “existem lacunas num sistema que está instituído há várias décadas, designadamente a colocação do lixo doméstico no chão das ruas. Vamos avançar com este projecto de colocação de contentores subterrâneos para resíduos domésticos no centro de Braga, algo que nenhum anterior Executivo achou preocupante, uma vez que nada foi feito no passado para inverter essa situação”.

Parte do investimento foi canalizado para a aquisição de superestruturas de recolha e de lavagem de contentores, que permitem concretizar o processo em apenas 1’20’’. Com sistema automático integrado, utilizam a tecnologia de infravermelhos para detetar e manejar os contentores sem que seja necessário o condutor sair da viatura.

A AGERE é detida maioritariamente pela Câmara Municipal de Braga e conta com um acionista privado, a empresa Geswater, que detém 49% do capital. Trata-se de uma das únicas empresas que trabalha
transversalmente todo o ciclo urbano da água, abastecimento de água e drenagem de águas residuais (em alta e em baixa) e os resíduos urbanos. Em 2017 apresentou índices de desempenho superiores às outras entidades do país, com um lucro de cerca de 6 milhões de euros. Nos últimos dois anos conseguiu uma redução de 2,5% nas tarifas pagas pelos consumidores em cada um desses anos.

com Luís Moreira (CP 8078)

 ovilaverdense@gmail.com
Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS