JUSTIÇA –

JUSTIÇA – -

António Marques é um dos 126 arguidos que o MP acusa de fraude de 10 milhões na AIMinho

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

São 79 pessoas singulares e 47 empresas. Em causa estão crimes de associação criminosa, fraude na obtenção de subsídio, burla qualificada, branqueamento, falsificação e fraude fiscal. O processo relativo a fraudes na obtenção de subsídios europeus em projectos relacionados com a Associação Industrial do Minho (AIMINHO) já tem acusação.

O Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) deduziu acusação contra 126 arguidos, 79 pessoas singulares e 47 colectivas. O presidente da AIMINHO, António Marques, é um dos arguidos, tal como outros directores da associação que entretanto entrou em liquidação.

PUBLICIDADE

De acordo com nota do DCIAP“foram investigadas 109 operações distintas cofinanciadas por fundos europeus e pelo Orçamento do Estado, tendo sido apurada uma vantagem ilícita obtida pelos arguidos em montante superior a 9 milhões e 700 mil euros”. Os factos remontam ao período compreendido entre 2008 e 2013.

A acusação indica que a “AIMINHO e pessoas colectivas que à sua volta gravitavam, foram utilizadas pelos arguidos para obterem subsídios de forma fraudulenta”. Em diferentes formas: “surgindo, no contexto de operações cofinanciadas por fundos europeus, como fornecedores de bens e serviços que, na realidade, não eram prestados” ou “candidatando-se a subsídios com projectos que nunca tencionavam executar”.

FACTURAS FALSAS

 Ficou igualmente “indiciado que os arguidos agiam de forma organizada e recorriam, designadamente, à emissão facturas falsas, através de acordos estabelecidos entre as várias entidades deste universo, conseguindo também diminuir artificialmente a matéria colectável e pagar menos impostos”. Diz o DCIAP que os proveitos obtidos com estas condutas eram reintroduzidos na economia lícita depois de passarem por circuitos financeiros triangulados e enganosos.

O inquérito principiou em 2012, quando chegou uma comunicação do Organismo Europeu de Luta Antifraude. “No decurso da investigação foram efectuadas cerca de uma centena de buscas e realizaram-se intercepções telefónicas e de correspondência electrónicaFoi reunida extensa e complexa prova documental e digital, da qual fazem parte 2400 pastas de arquivo contendo documentos em suporte de papel e mais de 50 milhões de itens de dados informáticos. Há também mais de 500 apensos bancários anexos ao inquérito”, esclarece a nota do DCIAP.

Revela ainda o Ministério Público que foram requeridas “a aplicação das sanções acessórias de proibição de profissão relativamente a vários contabilistas certificados, privação do direito a subsídios ou subvenções e a publicidade da decisão condenatória através de meio de comunicação social de ampla divulgação nacional”.

Nesta investigação, o Ministério Público foi coadjuvado pela Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária. Foi ainda assessorado pelo Núcleo de Apoio Técnico da Procuradoria-Geral da República, pela Agência de Desenvolvimento e Coesão, pela Inspecção-Geral de Finanças, Laboratório Nacional de Engenharia Civil e Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Contou, igualmente, com colaboração da Unidade de Análise de Informação de Unidade de Apoio do DCIAP.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS