OPINIÃO

OPINIÃO -

As casas da minha terra

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Opinião de Inês Pulido

 

Quando era pequena adorava entrar em casas que ainda não conhecia, de ver os espaços, as escadas e lembro-me que me fascinava olhar com atenção para a luz que entrava pelas janelas. Um dia, aos 11 anos, perguntaram-me o que eu queria ser quando fosse grande. Arquiteta – respondi logo – sem dúvida nenhuma.

PUBLICIDADE

Fui crescendo e a minha paixão por espaços desconhecidos aumentou, visitei casas senhoriais, museus, castelos, palácios e pontes de norte a sul. Em cada sítio percebi a influência da luz nos espaços e por consequência nas pessoas. Numa dessas casas, a luz que entrava pelo vitral colorido mesmo em cima da escadaria principal, conferia ao espaço um ar enigmático, no castelo, a luz de baixa intensidade e quase sombria fazia-o mais assustador do que de facto era e, nas pontes, a luminosidade refletida pela imensidão da água tornava a paisagem fascinante.

Em Arquitetura estudei o impacto das nossas construções, nas nossas vidas e sociedades. Fiquei estarrecida, a luz, jamais poderia ser dissociada do nosso dia-a-dia. De manhã, a luz deve acordar-nos suavemente e aumentar de intensidade até ao final da tarde até que o sol se põe nas nossas salas de estar, este é um truque básico no conceito de habitação. No interior, podemos acrescentar detalhes de luz artificial que fazem a diferença: o posicionamento de luzes suaves de presença que nos auxiliem na utilização dos espaços, quer dentro de um roupeiro ou num corredor como guia do percurso. A intensidade da luz deve ser articulada com as nossas rotinas como uma extensão das nossas ações dentro de casa. O seu filho tem medo do escuro? Coloque uma leve luz de presença de tom quente que liga quando acorda. Escolha a cor da luz de acordo com a função de cada espaço – cor quente ou fria. A luz “quente” remete-nos para um local calmo, de descanso ou de leitura, já a luz “fria”, para espaços de trabalho como a cozinha, a garagem, ou o espaço exterior onde pode optar por um sensor noturno. O domínio da luz pode ser complementado com truques de cor, como a utilização de tons claros nos espaços interiores onde esta se reflete, multiplica-se e o espaço cresce.

Hoje tenho a sorte de poder desenhar e construir casas atentas às necessidades base de quem nelas habita. Se um dia destes nos cruzarmos, num projeto, ou na vida, o meu sonho continua a ser conhecer casas desconhecidas e iluminá-las por dentro. A luz. A mais suave e extraordinária influência do universo parece frágil, mas não o é…tem um poder infinito.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS