VILA VERDE -

VILA VERDE - -

Assembleia Municipal aprovou novo Regulamento dos serviços de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e gestão de resíduos sólidos urbanos

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Assembleia Municipal de Vila Verde aprovou, esta quinta-feria, por maioria, o novo Regulamento Municipal dos serviços de abastecimento público de água, saneamento de águas residuais urbanas e de gestão de resíduos sólidos urbanos.

Durante a apresentação do regulamento, o Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, António Vilela, explicou que as alterações permitiram «reajustar alguns aspectos», com o objectivo de «aumentar os benefícios às famílias, mas, acima de tudo, a todos os vilaverdenses».

Exemplo de algumas alterações são os «tarifários a aplicar a famílias numerosas; tarifários diferentes para favorecer pequenos consumidores e ainda a possibilidade de receber a factura electrónica».

PUBLICIDADE

Cláudia Pereira, do CDS-PP, começou por dizer que as alterações ao Regulamento são «imperativas para o Concelho», embora questionando se o Município pode «garantir que estes serviços (saneamento, resíduos sólidos ou abastecimento de água) estarão salvaguardados para que não caiam em mãos de privados e prejudiquem os interesses das populações».

«Se sim, o que foi feito nesse sentido? Algum estudo para avaliar essa situação?», perguntou.

Do lado dos socialistas, Samuel Estrada centrou-se na questão das águas residuais, mais concretamente quanto à descarga das mesmas, referindo que Vila Verde «continua a ser um Concelho em que a maioria das pessoas têm de efectuar as descargas na clandestinidade».

De seguida, questionou o porquê de «não constar no novo Regulamento o caso de uma freguesia que não tenha Saneamento, como deve proceder?»

Luís Sousa, do PSD, destacou o trabalho de «aperfeiçoamento» do regulamento, «imperioso de se fazer» e que este assume «uma componente social importante», sendo «mais justo e mais moderno».

RESPOSTA

Em resposta à deputada centrista, o Presidente da Câmara Municipal declarou que «não existe nenhum estudo a ser feito para privatizar a água ou o saneamento».

Quanto à questão levantada por Samuel Estrada, o autarca sublinhou que «se as pessoas fazem descargas ilegais é porque querem. Temos pontos de entrega para o efeito ou então nas ETAR’s».

Mais desenvolvimentos na edição impressa de Março 2019

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.