HISTÓRIA –  Barcelenses em romagem ao túmulo de D. Gualdim Pais

HISTÓRIA –
Barcelenses em romagem ao túmulo de D. Gualdim Pais

No âmbito das Jornadas Gualdinianas comemorativas do 9º centenário do nascimento de D. Gualdim Pais, e assumindo a tese do amarense Domingos Maria da Silva de que Barcelos é a terra de naturalidade deste herói, uma comitiva de barcelenses liderada pela vice-presidente da Câmara de Barcelos, Armandina Saleiro, rumou a Tomar, no dia 13 de outubro, data em que se completaram 823 anos do falecimento deste monge-guerreiro que foi braço direito de D. Afonso  Henriques na consolidação da nacionalidade.

Esta tese é rebatida pelo Município de Amares que reivindica que foi ali que D. Gualdim Pais viu a luz do dia, pela primeira vez.

PUBLICIDADE

A comitiva barcelense, que integrou o ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro que agora se dedica, como historiador, à história da região minhota, António Afonso, foi recebida pela presidente da Câmara Municipal de Tomar, Anabela Freitas, acompanhada por outros elementos do executivo, junto à estátua do Mestre da Ordem do Templo em Portugal que se situa na Praça da República em frente à sede do Município.

Seguiu-se uma visita templária à cidade de Tomar, com romagem à capela lateral da igreja de Santa Maria dos Olivais onde se encontram os restos mortais de Dom Gualdim Pais. Esta igreja foi o panteão dos Mestres da Ordem do Templo em Portugal.

Durante a tarde, a visita prosseguiu pelo Castelo, Charola e outros espaços do Convento de Cristo, tendo sido animada com guerreiros templários e danças da época medieval.

O programa terminou com o lançamento de dois livros sobre Dom Gualdim Pais: O Mestre Templário na Fundação de Portugal, de Joaquim Nunes, e O Fronteiro de Deus – A Vida Heroica de Dom Gualdim Pais, o maior monge-guerreiro de Portugal, de Fernando Pinheiro.

As jornadas prosseguem no próximo sábado, dia 20, em Cervães, concelho de Vila Verde, e terminam no dia 3 de Novembro em Amares.