BRAGA -

BRAGA - -

Braga arranca com recuperação de linhas de água e solos afectados pelos grandes incêndios de Outubro de 2017

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Obras de recuperação de linhas de água e solos afectados pelos incêndios de Outubro passado arrancam esta quarta-feira. Já esta terça-feira decorreu uma sessão de formação sobre as obras de reabilitação e valorização dos ecossistemas ribeirinhos.

Na sessão estiveram presentes o vereador do ambiente da Câmara Municipal de Braga, Altino Bessa, um representante da APA, Vítor Andrês, e os técnicos responsáveis pela formação.

A sessão de formação teve como público-alvo técnicos municipais e técnicos/operários da empresa adjudicatária, bem como de operários em regime de subcontratação. A formação teve uma componente teórica e prática, que decorrem no gnration e na linha de água de Esporões, respectivamente. Incluiu ainda uma sessão de sensibilização e esclarecimento à população na Junta de Freguesia de Nogueira.

PUBLICIDADE

Após os incêndios que afectaram o concelho no ano transacto, o município efectuou um levantamento das linhas de água afectadas e do tipo de intervenções necessárias.

Para efectuar os trabalhos de limpeza e desobstrução em rios e ribeiras que amanhã se iniciam, num montante global de aproximadamente 340 mil euros, a autarquia recorreu a financiamentos atribuídos pela Agência Portuguesa do Ambiente através do Fundo Ambiental, ao qual se junta uma componente de investimento municipal. As obras têm lugar nas freguesias Esporões, União de Freguesias de Nogueira, Fraião e Lamaçães; Nogueiró e Tenões; Santa Lucrécia e Navarra e Crespos e Pousada.

Este financiamento abrange intervenções a montante e a jusante da área ardida e contempla igualmente a recuperação de linhas de água em incêndios de menos de 750 hectares, o que permite incluir dois pontos de intervenção no concelho.

A reabilitação das linhas de água permite o controlo dos episódios de cheias, o aumento da qualidade da água, o controlo dos processos erosivos nas margens, a melhoria da qualidade dos solos e a maior preservação da biodiversidade.

Os principais trabalhos a executar são de corte de material arbóreo e arbustivo, a remoção de reutilização de material em obra, a reposição da galeria ripícola e a reabilitação das condições de biofísicas de suporte.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS