VILA VERDE –

VILA VERDE – -

Câmara de Vila Verde compra prédio e terreno do IEMinho por 850 mil euros

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

850 mil euros. A Câmara de Vila Verde analisa e vota, segunda-feira, a proposta de compra, aos credores da massa falida, do edifício e terreno anexo do IEMinho – Instituto Empresarial do Minho.

Ao que “O Vilaverdense/PressMinho” apurou, o administrador judicial do IEMinho, o advogado Nuno Albuquerque, conseguiu a anuência dos credores à proposta de aquisição, naquele valor, apresentado pelo Município.

PUBLICIDADE

A proposta deve ser aprovada por unanimidade na Câmara, isto se se atender ao interesse da continuação do Instituto para a dinamização da economia local, passando, depois, a Câmara a um processo de negociação de crédito bancário e ao correspondente pedido de visto do Tribunal de Contas.

Recorde-se que o Município aprovou, por unanimidade, na última reunião do executivo de vereadores, a possível compra do IEMinho- Instituto Empresarial do Minho/Centro de Incubação de Empresas, compreendendo o edifício, situado em Soutelo, bem como um terreno anexo e todo o mobiliário.

A iniciativa partiu dos dois representantes da Câmara no Instituto, José Mota Alves e Adelino Machado, que, em documento específico, sugeriram a compra do edifício por 850 mil euros.

No documento, dizem que, em conversa com Nuno Albuquerque, o administrador judicial encarregue da liquidação do IEMinho, ficaram a saber que os credores devem aceitar esse montante, já que o também chamado Centro de Incubação de Empresas esteve à venda por 1,32 milhões não tendo aparecido ninguém no leilão electrónico.

A informação que o presidente da Câmara, António Vilela, levou a discussão na reunião, salienta que o edifício, situado em Soutelo, bem como um terreno anexo e todo o mobiliário valem bastante mais do que os 850 mil euros. E assinalam que a sua construção, com a aquisição do terreno, ficou por 3,5 milhões.

Ao jornal “O Vilaverdense”, Vilela disse que após a aquisição, o Município não deverá investir muito mais dinheiro no IEMinho, já que na administração de Nuno Albuquerque as receitas cobrem as despesas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS