Caso EPATV. António Vilela nega ter influenciado concurso e diz que venda pagou dívidas de construção dos edifícios

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O presidente da Câmara de Vila Verde, António Vilela, explicou esta segunda-feira, no Tribunal de Braga, que o processo de alienação de 51 por cento do capital social da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) foi transparente e resultou numa decisão partilhada pelas Câmaras e Assembleias Municipais dos três municípios envolvidos: Vila Verde, Amares e Terras de Bouro.

No início do julgamento, o também arguido Rui Silva, ex-vereador do Município e actual deputado na Assembleia da República, disse que não presta declarações, enquanto o terceiro arguido, o dono e director da EPATV, João Luís Nogueira, disse que o fará, o que sucederá em Outubro, na segunda audiência.

PUBLICIDADE

Vilela respondeu a todas as questões colocadas, com minúcia, pelo juiz-presidente do colectivo de juízes, quer sobre a forma como foi tomada a decisão de aumentar e vender a maioria do capital, quer sobre o pagamento feito posteriormente à Escola de 988 mil euros, no quadro de um acordo judicial no Tribunal Administrativo.

No primeiro caso lembrou que, face à lei 50/2012 emanada do Governo de Passos Coelho, as autarquias não podiam manter empresas municipais deficitárias, tendo por isso decidido conjuntamente vender parte do seu capital a uma empresa ou investidor capaz de a gerir, mas de acordo com os propósitos que presidiram à sua criação, a de ser um polo de ensino profissional nos três concelhos.

Tomada a decisão, e com recurso a um advogado contratado pela escola, avançou-se com um valor para a operação, cerca de 410 mil euros, e com a feitura de um caderno de encargos para o concurso público. O autarca de Vila Verde assegurou que em nada interferiu no processo, tendo as três autarquias, dado, apenas, orientações gerais sobre a operação.

DESMENTE FAVOR

Desmentiu que as cláusulas do concurso, nomeadamente a exigência de uma garantia bancária de 410 mil euros e o prazo de 30 dias, visassem favorecer algum concorrente, nomeadamente a Val d’Ensino de João Luís Nogueira.

“A garantia visava evitar que o concorrente que vencesse o concurso pudesse sair ao fim de um ano ou dois”, frisou, isto porque o pagamento integral daquela verba demoraria alguns anos nos termos do concurso. E as Câmaras não se podiam sujeitar a que o vencedor fugisse às suas obrigações, o que a garantia bancária evitava.

PRAZO DE 30 DIAS

Sobre o prazo de 30 dias concedido aos concorrentes para apresentação de propostas, António Vilela esclareceu que tal se ficou a dever ao facto de o processo estar já atrasado face ao teor da dita Lei 50. Sublinhou, a propósito, que, se algum interessado o tivesse pedido, teria havido prolongamento do prazo.

O juiz quis saber o porquê dos critérios do concurso público, que atribuía 20 por cento ao valor da proposta e 40 à valia da experiência no ramo e ao projecto pedagógico.

Perguntou, por isso, porque foi aceite a proposta da Val d’Ensino, já que a empresa especializada que a analisou, a pedido do júri, fez reparos à componente pedagógica. Vilela contrapôs que o relatório final dava 17,6 em 20 de pontuação ao projecto, pelo que, por isso, com ele concordou, até porque era o único concorrente.

988 MIL DE DÍVIDAS PAGOS À ESCOLA

A acusação refere, ainda, que, após o concurso, a escola pediu o pagamento de dívidas anteriores. Amares pagou, Terras de Bouro, também e Vila Verde deixou o processo ir para o Tribunal Administrativo.

A verba – que fora confirmada em relatórios da Inspecção Geral de Finanças – referia-se à construção dos edifícios da EPATV em Vila Verde e em Amares. A Câmara vilaverdense e a escola chegaram, depois, a acordo – homologado pelo juiz – e o montante foi reduzido de 1,5 milhões (1,1 mais juros) para 988 mil euros.

O MP pede-lhes que paguem essa verba ao Estado, já que o concurso dizia que as Câmaras ficavam isentas de pagar dívidas.

Vilela contrapôs que os 988 mil euros resultam de empréstimos bancários, anteriores ao concurso, contraídos para a construção dos prédios que ficaram para as Câmaras, o que ficou vertido no acordo judicial.

E acentua que englobava, ainda, o pagamento de actividades extra-curriculares, encargo assumido pelas três Câmaras antes da venda do capital.

Afirmou que a referência ao não-pagamento de dívidas constante do contrato de venda não abrangia aquele período, até porque, se assim não fosse, ninguém concorria, dada a existência de dívidas de 2,3 milhões em contas caucionadas.

Ao todo, insistiu, as três Câmaras ficaram beneficiadas em dois milhões de euros.

JOÃO LUÍS NOGUEIRA

Na próxima sessão, e ao que “O Vilaverdense” apurou, João Luís Nogueira negará a prática de qualquer ilícito e deverá sublinhar que, desde 2013, nenhum dos três Municípios meteu um cêntimo na escola, o que não acontecia até ali, com gastos de vários milhões.

Vai, ainda, lembrar que nestes oito anos a escola investiu oito milhões de euros, em benefício dos três concelhos.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.