BRAGA

BRAGA -

CDS Braga defende aulas à distância no secundário e universitário. Acusa Governo de “saltar de medida em medida”

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O presidente da Concelhia de Braga do CDS-PP acusa o Governo de “saltar de medida em medida” no combate à segunda vaga do Covid-19 e de esquecer que “um dos grandes” focos de contágio “é o contexto escolar/académico”. Altino Bessa defende que o ensino secundário e universitário deve decorrer à distância até fim do ano.

“Bem sabemos que, por variados motivos, não é possível encerrar a resposta escola na medida em que seria fracturante para as famílias, crianças e/ou jovens”, afirma Altino Besa em comunicado ao Press Minho, sustentando, contudo, se para “os alunos em idade menor (…) dependem voltar ao regime de aulas à distância seria incomportável para os encarregados de educação”, o mesmo não acontece com os estudantes do ensino secundário e universitário.

“(…)  Não obstante a alguns constrangimentos de teor social, consideramos que, como meio de prevenção e diminuição de contágio, os ensinos secundário e universitário deveriam optar pelo ensino à distância”, diz o líder da Concelhia centrista

PUBLICIDADE

“A nossa proposta é que estas aulas passem a ser à distância até ao final do mês de Dezembro. A faixa etária destes alunos permite-lhes autonomia”, sugere Altino Bessa, o também vereador da Protecção Civil na Câmara de Braga.

“Grosso modo, não dependem nem obrigam à supervisão constante da família para cumprirem o regime de ensino à distância. Acreditamos que com esta medida se evitariam centenas de milhar de contactos que acontecem em ambiente académico e de lazer extra-aulas que, posteriormente, resultam em focos de disseminação do vírus covid-19”, acrescenta.

O presidente dos centristas de Braga argumenta que “a suspensão do ensino presencial nos ensinos secundário e universitário pode contribuir para achatar a curva e, consequentemente, salvar vidas”.

“Urge que aliviemos os hospitais do número diário de infecções que continua a crescer. Esta seria uma medida atenuante do número de infecções por covid-19 e, muito importante, uma medida que terá um impacto não muito nefasto na economia”, afirma, sublinhando que “seriam apenas dois meses de ensino à distância que podem contribuir significativamente para a diminuição de contágio”.

Para Altino Bessa “é hora do Governo ser perspicaz e estratégico na aplicação de medidas que não causem um impacto tão negativamente expressivo na economia nacional”.

MEDIDAS DE RESTRIÇÕES

Sobre as restrições impostas pelo Executivo de António Costa, e que esta quarta-feira entraram em vigor em 121 concelhos do país, Bessa considera que as medidas deveriam abranger todo o território nacional. 

“Tudo indica que iremos assistir à ‘narrativa’ da 1.ª vaga. Isto é, primeiro o território Norte era zona com “risco elevado de covid-19” e o Sul do país mais relaxado. Até que a situação na zona Sul se agravou e tudo se complicou”, diz.

O centrista defende que, “nesta fase, não deve ser alavancada este tipo de ‘distinção”, referindo que “apesar do número de ocorrências de infecção se mostrar súpero na zona Norte, é imperativo que se acautelem possíveis focos nas restantes áreas do território nacional”. 

“Mais uma vez, não percebemos esta diferenciação territorial”, remata.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS