JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Cidadã brasileira apanhada pelo SEF na Residencial Cairense insiste em como não trabalhava no alterne

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Uma cidadã brasileira expulsa do país em Março de 2020 pelo SEF- Serviço de Estrangeiros e Fronteiras do aeroporto de Lisboa pediu ao Tribunal Administrativo de Braga que anule o acto de expulsão de que foi alvo, alegando que não foi encontrada a trabalhar, “muito menos no alterne”, e que o visto de turista que tinha ainda não estava caducado.

Em resposta ao Tribunal, a cidadã lembra que não cometeu nenhum crime em Portugal e que o processo-crime que lhe foi movido acaba de ser arquivado pelo Tribunal de Braga.

PUBLICIDADE

“Em virtude de tal arquivamento, e de todo o abuso de poder e de direito adoptado pelo SEF, a aqui autora requer a condenação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras como litigante de má-fé”, escreve o seu advogado, João Magalhães.

Há dias, o jurista anunciou que vai apresentar queixa-crime contra o organismo por expulsão ilegal e “abuso de poder” de uma outra brasileira.

O advogado revelou que esta imigrante, de nome Valéria, foi obrigada por um inspector, quando já se encontrava dentro do avião, a assinar uma ordem de expulsão da ex-directora do SEF, isto apesar de estar na posse de um despacho, autenticado, de uma juíza de Braga, autorizando-a a ir ao Brasil ver um filho menor e a regressar no prazo de 30 dias.

O jurista vai, ainda, exigir que a expulsão seja revogada.

A mulher, com outras sete imigrantes, foi detida em Dezembro de 2019 na Residencial Cairense pelo SEF/Braga por suspeita de prostituição, ou seja, por trabalhar “no alterne” com visto de turista, o que é ilegal.

APRESENTAÇÕES PERIÓDICAS

O jurista explicou que, após a detenção, em Tribunal, a juíza decretou-lhes a medida de apresentações periódicas na PSP, a qual caducou em Dezembro último, tendo o processo sido arquivado este mês, dado ter passado mais de um ano, e o prazo máximo ser de oito meses.

Face à decisão, o advogado, que havia feito um recurso para o Tribunal da Relação, vai comunicar à juíza que prescinde do recurso, mas pedindo-lhe que extraia uma certidão do acto para que possa participar o alegado crime ao MP.

“Algo está mal na lei…Como é que é possível que se esteja um ano com limitação da liberdade sem que haja uma acusação?”, pergunta.

O SEF defendia que a decisão judicial punha em causa a sua função. “A suspensão da expulsão não põe em causas as competências do SEF na fiscalização de fronteiras”, contrapôs o Tribunal, sublinhando que, quando a acção principal for julgada, terá os mecanismos legais para provar a justeza da decisão.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS