TRIBUNAL –

TRIBUNAL – -

Cinco homens – um de Vila Verde – condenados por burlarem idosa do Porto

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Tribunal Judicial de Braga condenou um homem, de nome Jorge Dantas, de Ponte de Lima,  a cinco anos e meio de prisão efectiva por burla a uma idosa do Porto, num processo em que também um notário de Barcelos e um solicitador de Viana do Castelo foram condenados por falsificação. Um homem, residente em Esqueiros, Vila Verde, também participou no esquema, tendo sido condenado a três anos e meio com pena suspensa.

O notário Paulo Costa, de Barcelos, foi condenado a um ano e meio de prisão, ficando, para a suspensão da pena, obrigado a pagar 2.000 euros a uma instituição de apoio a idosos.

PUBLICIDADE

Ao solicitador, de Viana do Castelo, Rui Lima, o tribunal aplicou um ano e três meses de prisão, pena que ficará suspensa mediante o pagamento de 2.000 a uma instituição de apoio a idosos ou sem-abrigo.

Ambos foram condenados por terem validado dados falsos em escrituras públicas e procurações, documentos que possibilitaram a outros dois arguidos no processo a venderem imóveis da idosa e ficarem com os respectivo valores.

Jorge Manuel Dantas, de 42 anos, é tido como o arguido principal do processo e, segundo o tribunal, mentor da burla.

A este arguido aliou-se, entretanto, um outro, de nome Manuel Rafael, residente em Esqueiros, Vila Verde, que foi condenado a três anos e meio de prisão, com pena suspensa, uma suspensão que fica dependente do pagamento de 7.500 euros a uma associação de apoio aos sem abrigo.

Segundo o tribunal, a vítima foi uma antiga professora, com cerca de 70 anos e que tinha problemas psíquicos, encontrando-se “em situação vulnerável e de fragilidade emocional”.

O principal arguido conheceu a idosa numa pensão no Porto, onde ambos estavam a pernoitar, e encetou uma “relação de proximidade” com ela, tendo-se apercebido de que se tratava de uma pessoa com posses.

A idosa recebia uma reforma de 800 euros e era proprietária de alguns imóveis em Lagos.

Segundo o tribunal, o arguido decidiu subtrair dinheiro à idosa e proceder à venda de todos os bens imóveis sua propriedade, não lhe entregando o respectivo preço.

Passou a ir todos os meses ao banco com a idosa levantar a reforma, ficando com o dinheiro, e conseguiu vender alguns imóveis.

Para este efeito, contou com a colaboração de um outro arguido, conhecedor do mercado imobiliário. No total, os dois terão “lucrado” 148 mil euros.

Os documentos passados pelo solicitador e pelo notário foram  “decisivos” para que a burla tivesse sucesso.

A idosa foi encontrada, em 2011, pela PSP a “deambular” pelas ruas do Porto, “desorientada” e “necessitando de cuidados básicos de higiene, alimentação e abrigo”.

Os quatro arguidos estavam acusados, pelo Ministério Público, de  falsificação e de burla qualificada, mas o solicitador e o notário foram apenas condenados pelo primeiro daqueles crimes.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.