JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Defesa alega nulidades da acusação na fase de instrução do processo da extinta Associação Industrial do Minho

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Vários advogados de defesa dos 24 arguidos – entre os 126 acusados – que pediram a instrução do processo da extinta AIMinho – Associação Industrial do Minho invocaram, nas alegações finais no Tribunal Central Criminal de Lisboa, duas nulidades na acusação.

Evocaram o facto de não terem sido ouvidos na fase de inquérito e a questão de se determinar se o suposto crime de fraude na obtenção de subsídio foi praticado aquando da assinatura do contrato de concessão de fundos comunitários ou posteriormente, quando o dinheiro foi entregue à empresa.

PUBLICIDADE

O jurista Artur Marques revelou ao Vilaverdense/PressMinho que, neste caso, se o juiz Carlos Alexandre vier a entender que o crime terá sido cometido aquando da assinatura do contrato, “a maioria dos crimes de fraude na obtenção de subsídio cairá”.

Já o Ministério Público, que alegou durante dois dias, sustentou a tese constante da acusação, excepto em detalhes “pouco relevantes”, ou seja, na prática pediu que os arguidos fossem a julgamento.

No final, o juiz Carlos Alexandre marcou a divulgação, por via electrónica da decisão instrutória Opara o mês de Outubro.

A instrução foi solicitada por 24 dos 126 acusados, 79 pessoas singulares e 47 empresas. Entre eles não se encontra António Marques, o ex-presidente da AIMinho, entidade entretanto extinta e que se encontra em fase final de liquidação.

A acusação, deduzida em Setembro de 2018 pelo DCIAP – Departamento Central de Investigação e Acção Penal, e que impende sobre a antiga Associação, envolve uma alegada fraude em subsídios comunitários de 9,7 milhões e passa pelos departamentos de Biologia e Engenharia Biológica da Universidade do Minho.

O inquérito do DCIAP inclui uma alegada fraude de 700 mil euros na construção do edifício do IEMinho, Instituto Empresarial do Minho, em Vila Verde. O IEMinho é um dos focos da acusação.

O MP enumera um crime de fraude, que se prende com o processo de construção do edifício-sede: o do empolamento dos custos em cerca de 680 mil euros, combinado com o empreiteiro, e em benefício da AIMinho.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS