OPINIÃO

OPINIÃO -

Demasiado tempo à frente do ecrã

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Por Luís Sousa
Médico

Vivemos novos tempos em que as tecnologias vão dominando o nosso quotidiano. Já não é só a televisão que nos ocupa o dia a dia, mas são vários os ecrãs que nos vão preenchendo o tempo, com os telemóveis a dominarem e a ganharem cada vez mais espaço.

Tornou-se banal ver grupos de amigos à mesa do café completamente indiferentes uns aos outros, pais totalmente alheados dos filhos porque ocupam o seu tempo em frente a um telemóvel ou filhos que não brincam, não correm nem saem do sofá porque as horas dos seus dias são passadas de clique em clique ao sabor dos vídeos do youtube.

PUBLICIDADE

É difícil evitarmos a presença destas tecnologias. Diria até, impossível. Fazem parte das nossas vidas. Porém, devemos refletir sobre o tempo que passamos em frente ao ecrã e o tempo que somos absorvidos nesta realidade paralela que nos consome a atenção e nos retira tempo para a família, para os amigos e para muitas outras coisas importantes na vida.

Preocupa-me o tempo que as crianças passam em frente da televisão, dos telemóveis, dos tablets. A American Academy of Pediatrics não recomenda qualquer tempo de ecrã a todas as crianças abaixo dos 2 anos de idade e, acima dessa idade, sugere que não se ultrapassem as duas horas por dia. Também sou pai e sei da dificuldade que é, por vezes, os adultos conseguirem cumprir certas tarefas do seu dia a dia com as crianças a pedirem a sua atenção e sei também que, nessas horas, é tentador dispensar-lhes um ecrã que, facilmente, as vai acalmar e distrair.

Chamo, porém, a atenção para a facilidade com que podemos exagerar neste comportamento. Porquê? Demasiado tempo de ecrã mostrou uma associação com o aumento da obesidade infantil, distúrbios do sono ou problemas de atenção o que, como se compreende, pode ter reflexos na vida das crianças e no seu desempenho escolar.  Estima-se que 60% da incidência de excesso de peso aos quatro anos de idade se relaciona, também, com o excessivo tempo de ecrã.

Vários mecanismos podem explicar esta associação como a consequente redução da atividade de física inerente a este comportamento e o aumento da ingestão calórica durante esse tempo. Estudos revelam que crianças com mais tempo de ecrã consomem menos frutas e vegetais e mais bebidas e snacks ricos em calorias e com maior teor de gordura.

Isto é facilmente compreensível se pensarmos no tipo de alimentos que as nossas crianças pedem ou comem enquanto veem televisão. Já para não falar da dificuldade que é controlar o teor dos conteúdos às quais as crianças podem aceder através do telemóvel, sem qualquer supervisão de um adulto.

Que tempo passam os nossos filhos em frente ao ecrã? É esta a questão que vos deixo para cada um refletir. Nós, como pais, facilmente caímos no erro de não servirmos de exemplo e sabemos que, em matéria de educação o lema “olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço” dificilmente surte efeito.

Acredito que uma das melhores formas de educarmos e ajudarmos as nossas crianças a crescerem é fazê-lo através do exemplo e, em matéria de tempo de ecrã, nós, adultos, temos também muito que refletir.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS