PAÍS –

PAÍS – -

Deputado Rui Silva questiona Ministro da Defesa sobre falta de efectivos nas Forças Armadas

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O deputado do PSD Rui Silva questionou o Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, sobre a falta de efectivos nas Forças Armadas, que considera ser «transversal a todos os ramos» e estar «na base das grandes dificuldades» das Forças Armadas.

«Em todas as audições que tivemos com os Chefes de Estado Maior, ressaltou que o grande problema, além da Lei de Programação Militar, é a falta de efectivos. E eu não ouvi uma palavra do senhor Ministro sobre esse problema», apontou.

PUBLICIDADE

Numa intervenção feita na Comissão de Defesa Nacional, Rui Silva reportou-se ao «abandono precoce» por parte dos jovens que entram nas Forças Armadas, questionando sobre que estímulos tem o Governo em mente para atrair mais elementos para a carreira militar.

ESTALEIROS DE VIANA DO CASTELO

O deputado social-democrata voltou a reiterar as dificuldades do Hospital das Forças Armadas, abordando também a aquisição de seis novos navios-patrulha oceânicos para a Marinha portuguesa, no âmbito da revisão da Lei de Programação Militar.

«Recentemente, o senhor Ministro disse poder adivinhar – foi a sua palavra – que os seis novos navios serão construídos nos estaleiros de Viana do Castelo, num investimento de 360 milhões de euros. Disse ainda que o navio polivalente logístico, também previsto na nova lei, também venha a construir pelos estaleiros da West Sea, em Viana do Castelo, apesar de considerar tratar-se, nas suas palavras, de uma matéria mais complexa. Espero que os seus dotes de adivinho se venham a confirmar», apontou.

Segundo Rui Silva, «é importante para o país que esse “cluster” naval ganhe força, juntamente com o “cluster” aéreo», lembrando que «foi um Governo do PSD, juntamente com o CDS, quem decidiu privatizar e encontrou a solução para os estaleiros de Viana do Castelo», que têm agora «mais trabalhadores, mais tecnologia» e capacidade para «construir estes navios em Portugal».

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS