JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Dupla ia a Espanha buscar droga e vendia-a na zona de Braga

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Iam ao sul de Espanha buscar droga para vender na zona de Braga. Em Junho de 2020, a PJ de Braga apanhou-os num posto de combustível da Mealhada, com 2,8 quilogramas de cannabis.

Emanuel Félix da Silva, de 30 anos, de Braga – em prisão preventiva – e Luís Miguel Teixeira, de 32 anos, de Nine, Famalicão, foram acusados pelo Ministério Público de tráfico de estupefacientes e falsificação de documentos.

PUBLICIDADE

A acusação refere que a brigada anti-droga da PJ havia detectado que Emanuel se deslocava com frequência a Espanha, alugando, para o efeito, dois carros, um para transportar a droga e o outro que ia à frente para dar o alerta em caso de operação policial. Tal terá sucedido pelo menos seis vezes em 2020.

No caso em apreço, Emanuel terá contactado – através do “WhatsApp” – Luís Miguel que anuiu a transportar a droga. Alugaram dois carros, um Renault Mégane e um Toyota Yaris, e muniram-se de uma declaração – que se concluiu ser falsa – de uma transportadora, autorizando-os a viajar em tempo de pandemia do Covid-19.

Dirigiram-se a Espanha, atravessando a fronteira em Vila Real de Santo António, e, no dia seguinte, a 23 de Junho, fizeram a viagem de regresso a Aveleda, Braga, pela auto-estrada A1.

O veículo Toyota, guiado por Luís, trazia, escondido no local do pneu suplente, um total de 2.84 quilos de cannabis (folhas/sumidades) suficiente para 6.077 doses individuais e um vaso com uma planta de canábis com o peso líquido de 3,01 gramas.

“Os arguidos haviam retirado o pneu suplente, o macaco e a base de esferovite de encaixe do macaco e ferramentas do Toyota Auris, colocando-os na bagageira do Renault, que era conduzido pelo Emanuel Teixeira”, salienta o MP.

Contactado a propósito, o advogado João Ferreira Araújo, que defende Emanuel, disse ao Vilaverdense que o seu constituinte vai confessar o crime, no julgamento agendado para Março em Coimbra, mas sublinhando que trabalhou para uma terceira pessoa, um empresário de Famalicão, sendo este quem encomendava a droga no país vizinho.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS