BRAGA

BRAGA -

Edifício do Palácio da Justiça será ampliado para receber os do Trabalho e de Família e Menores

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Palácio da Justiça de Braga vai ser ampliado para acolher o Tribunal de Família e Menores e o Tribunal do Trabalho, que funcionam em instalações exíguas, revelou hoje o presidente da Câmara durante a reunião do executivo.

Ricardo Rio adiantou que o projeto de ampliação já foi aprovado pelos serviços urbanísticos do município e “está em desenvolvimento” no Ministério da Justiça.

Acrescentou que também o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga vai para novas instalações, para um edifício arrendado nos Granjinhos, onde funcionava a construtora Britalar.

PUBLICIDADE

Para esta andar, situado por cima da Loja do Cidadão, vai agora funcionar, provisoriamente, o Tribunal de Família e Menores.

Conforme o Vilaverdense/PressMinho tem noticiado, o edifício do Palácio da Justiça tem uma ala devoluta, que pode ser adaptada para acolher os dois tribunais, e há muito que se fala num projeto arquitetónico para o efeito.

Na ocasião, o autarca sublinhou que os três tribunais se debatem, há anos, com instalações “precárias”, um problema que se agravou com a pandemia de covid-19 e com a necessidade e assegurar o devido distanciamento social.

A situação levou a que os maiores julgamentos do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga se realizem, a partir de hoje e provisoriamente, numa sala dos Paços do Concelho de Vila Nova de Famalicão.

O «Administrativo» de Braga tem atrasos enormes – que chegam aos oito anos – no andamento dos processos, já que cada juiz tem, pelo menos, 400 a seu cargo. As salas de audiência são minúsculas e os gabinetes de juízes e funcionários exíguos.

Os atrasos, que, de resto, são norma nos tribunais administrativos do país. prejudicam os cidadãos e as empresas e as entidades públicas.

CDU APELOU

O assunto foi levado à reunião de hoje do executivo de Braga pela vereadora da CDU, Bárbara Barros, que apelou à necessidade de acelerar as obras necessárias para que todos os julgamentos do Tribunal Administrativo e Fiscal se realizem em Braga

Artur Feio, disse que, “com algum engenho”, o município poderia ter evitado a saída do concelho de alguns julgamentos, com a disponibilização de salas para o efeito, e manifestou “estranheza” pela opção por Famalicão, acentuando que a situação provoca “grande transtorno para todos”.

Face aos «reparos», o presidente da Câmara, Ricardo Rio, responde que a opção por Famalicão para os julgamentos com maior número de intervenientes lhe foi comunicada pela presidente do Tribunal Administrativo e Fiscal, sem qualquer “pré-abordagem”.

A opção por Famalicão terá tido a ver com o facto de os Paços do Concelho já terem acolhido o tribunal, não sendo assim necessário qualquer investimento em obras de adaptação.

“O município manifestou, desde o início, toda a disponibilidade para instalação do tribunal num espaço alternativo, mas não houve margem para qualquer alternativa”, referiu, vincando que se trata de uma solução provisória, “apenas para estas circunstâncias transitórias”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS