BRAGA – Escola Gulbenkian de Braga adia início das aulas por falta de funcionários

BRAGA –
Escola Gulbenkian de Braga adia início das aulas por falta de funcionários

O Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga não começou esta sexta-feira o ano lectivo como previsto, por falta de funcionários. Os encarregados de educação estão dispostos a manter a escola fechada “indeterminadamente” até resposta do Ministério.

O presidente da Associação de Pais, Duarte Cunha, avança que a decisão de manter a escola fechada foi tomada numa assembleia geral e que se baseia no facto de estarem apenas “ao serviço” 16 dos 32 funcionários a que o Conservatório teria direito pelos rácios legais, exigindo a contratação de mais seis assistentes operacionais para abrir as portas.

PUBLICIDADE

Contactada pela Lusa, fonte oficial do Ministério da Educação esclarece que “haverá reforço de funcionários, tal como já foi indicado à direcção da escola”.

Para os pais, a situação “é lamentável porque é recorrente”. “Já não é o primeiro ano [que tal acontece] (…). Existe uma contínua falta de assistentes operacionais”, disse o responsável da Associação de Pais.

Os pais e encarregados de educação mostraram-se “indignados” com a situação e exigem que o Ministério dê autorização para contratar pelo menos mais seis pessoas. Até essa autorização, afirmam estar dispostos a “manter as portas fechadas indeterminadamente”, apesar dos constrangimentos que isso causa.

“Causa um transtorno enorme e numa escola de referência para o país (…). A escola tem actividades das 07 às 22 horas, de segunda a sábado, tem actividades ao fim-de-semana, com vários edifícios e pisos, é impensável um funcionário conseguir fazer a visualização e segurança dos nossos filhos em três pisos, além da questão da higiene e alimentação”, explica Duarte Cunha.