VILA DE PRADO / E defende uso de sangue no sarrabulho e pica-no-chão –

VILA DE PRADO / E defende uso de sangue no sarrabulho e pica-no-chão – -

Eurodeputado de Viana prepara evento gastronómico em Bruxelas para mostrar delícias da gastronomia, arte e cultura do Minho

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

José Inácio Faria, eurodeputado de Viana do Castelo, esteve esta manhã na Vila de Prado onde anunciou a realização de uma mostra gastronómica, com artes e cultura do Minho, no Parlamento Europeu «lá para Abril do próximo ano». De visita ao Intermarché, o membro da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar, defendeu o uso de sangue na confecção de alguns pratos de referência gastronómica do Minho (pica-no-chão e arroz de sarrabulho, por exemplo), contra as resistências de Bruxelas.

Numa curta visita àquela média superfície comercial pradense, José Inácio Faria começou por assinalar «a excelência» dos produtos alimentares nacionais e, sobretudo, a segurança alimentar e a qualidade postas na sua preparação. «Posso mesmo dizer que somos um bom exemplo europeu. Aliás, costumo dizer que, se a ASAE fosse a Bruxelas, encerrava grande parte dos espaços existentes, tal é a exigência colocada por Portugal», referiu o deputado europeu.

PUBLICIDADE

DEPUTADOS EUROPEUS VÃO PROVAR ARROZ DE SARRABULHO

Em declarações à imprensa, José Inácio Faria acabou mesmo por anunciar a realização de uma grande mostra gastronómica e de produtos típicos do Minho no Parlamento Europeu a cerca de um mês das eleições europeias. «Vamos dar a provar os nossos produtos aos 721 eurodeputados, até porque noto que são bem aceites e até são já muito procurados», assinalou.

A mostra incluirá ainda uma exposição de artes, cultura e história do Minho, para além da sua vertente de promoção turística do território.

SANGUE NOS PRATOS DO MINHO

O uso de sangue em alguns pratos da típica gastronomia do Minho é visto com alguma resistência por parte de Bruxelas. Na defesa da tradição histórica da gastronomia deste território, enquanto «bom apreciador do arroz de sarrabulho e mesmo do pica-no-chão», José Inácio faria diz que «ainda há algum trabalho a fazer para eliminar esse preconceito. Sou optimista e sei que o Parlamento Europeu acabará por reconhecer a qualidade e exigência colocadas na confecção desses e de outros pratos que levam sangue».

ovilaverdense@gmail.com

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS