BRAGA –  Ex-director da MAN nega corrupção na venda de autocarros aos TUB

BRAGA –
Ex-director da MAN nega corrupção na venda de autocarros aos TUB

É o terceiro arguido a negar que tenha havido corrupção nos TUB-Transportes Urbanos de Braga. O ex-director comercial da empresa MAN-Portugal Luís Paradinha, que está a ser julgado por corrupção activa na venda de autocarros daquela marca aos TUB, negou, esta quinta-feira, ao colectivo de juízes ter participado em qualquer esquema de corrupção em benefícios dos três outros arguidos, nomeadamente através do pagamento de comissões ou «luvas».

O arguido disse que a MAN/Portugal “não precisava de recorrer a qualquer método ilegal, nomeadamente a do pagamento de comissões aos compradores, já que liderava o mercado, sobretudo no segmento dos autocarros”.

PUBLICIDADE

“Não sei se a MAN/Braga tentou ou corrompeu alguém. Mas duvido!”, afirmou.

O julgamento, que prossegue dia 27 com a audição do mesmo arguido, abrange ainda o ex-administrador dos TUB Vítor Sousa, a ex-vogal da empresa municipal Cândida Serapicos – que disse não querer falar –, o ex-director técnico Luís Vale e a própria filial nacional da MAN- Trucks & Bus Portugal.

Os dois ex-administradores dos TUB estão acusados de corrupção passiva para acto ilícito e de gestão danosa, enquanto o ex-director responde por corrupção passiva.

Os outros dois arguidos estão acusados por corrupção activa em prejuízo do comércio internacional.

O processo conta com documentos, nomeadamente cópias de cheques e de depósitos bancários – no caso de Cândida Serapicos – e de uma conta devedora de Vítor Sousa na MAN-Braga de 34 mil euros.

Vítor Sousa diz que desconhece a dívida das facturas de reparação. Salienta que Abílio Costa «rolava» cheques emprestados nos bancos, e aponta dezenas de casos anexos ao processo.

O que teria sido o caso da ex-vogal dos TUB Cândida Serapicos, que respondeu ao pedido do empresário, quando este tentava evitar a falência.

A acusação sustenta, ainda, que o preço dos autocarros era inflaccionado de forma a que sobrasse uma comissão – de sete a 12 mil euros – para os três ex-membros dos TUB.

A Volvo, assistente no processo, argumenta que beneficiarem a MAN na compra de 13 autocarros entre 2000 e 2008.

Vítor Sousa terá recebido 226 mil euros, a vogal 27.500 e o ex-director 23 mil. Os arguidos rejeitam “liminarmente” esta tese.