Núcleo Antifascista desmobilizou pouco depois do PNR iniciar um desfile pelo centro da cidade

Núcleo Antifascista desmobilizou pouco depois do PNR iniciar um desfile pelo centro da cidade -

Extrema-direita manifesta-se em Braga em defesa da estátua de Gomes da Costa e contra o “cavernísmo ideológico” do BE

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Duas dezenas de extrema-direita do Partido Nacional Renovador (PNR) concentraram-se estes sábado à tarde junto à polémica estátua do Marechal Gomes do Costa, ‘vigiados’ de perto por outro tantos militantes de extrema-esquerda do Núcleo Antifascista de Braga. A PSP acompanhou todas as movimentações.

A iniciativa dos ‘nacionalistas” acontece na sequência da acção do Bloco de Esquerda (BE) que na madrugada de 25 de Abril tapou a estátua do Marechal, que consideram um símbolo de implantação do fascismo em Portugal.

Para Victor Ramalho, da comissão política do PNR, e para Francisco Pereira, militante do CDS/PP e membro da associação nacionalista Portugal 1.º, a concentração pretendeu responder às acções “cavernísticas” e “ideologicamente talibãs” dos bloquistas, que acusam de serem responsáveis pela vandalização das estátuas de Santos da Cunha e do cónego Melo, além de outras por todo o país

PUBLICIDADE

“Onde queira que aconteçam este tipo de ataques, nós estaremos presentes”, garante Victor Ramalho em declarações ao PressMinho/O Vilaverdense, acrescentando que “estamos na defesa da nossa História”.

Com o BE na mira, quer Victor Ramalho quer Francisco Pereira, acusam a “esquerda caviar” de “marxismo cultural” por “censurar tudo aquilo de que não gosta e a pagar a história de Portugal”. Exigindo “ respeito pelo património comum do povo bracarense”, os nacionalistas do PNR acusam a extrema-esquerda de “mentir acerca da História, submetendo-a aos seus interesses ideológicos de ódio aos valores pátrios”.

“ ESTÁTUA NÃO TEM LUGAR EM BRAGA”

Se para a extrema-direita, Gomes da Costa é um “património histórico” de Braga, um “militar exemplar” e “um homem digno” que, assim, merece a estátua situado no largo do Pópulo, para o Núcleo Antifascista de Braga a estátua do Marechal “não tem lugar em Braga”.

“É uma vergonha Portugal ainda ter estátuas ligadas ao fascismo”, afirmou ao PressMinho/O Vilaverdense, Johnathan, o porta-voz do núcleo.

Divido em dois grupos, preparados para a “auto-defesa” -“se formos provocados pelos nazis”-, o Núcleo Antifascista desmobilizou pouco depois do PNR iniciar um desfile pelo centro da cidade, movimentações acompanhadas de forma bem visível pela Polícia.

 

Fernando Gualtieri (CP 1200)

ovilaverdense@gmail.com

 

 

 

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS