OPINIÃO

OPINIÃO -

Fátima, sempre foi, já é e será sempre mais (55): Roma já acreditava nas Aparições de Fátima

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Por Salvador de Sousa

Escrevi, anteriormente, sobre as várias intervenções de Roma em relação à fidelidade do povo português a Maria e a certos privilégios que concedeu a Fátima, ainda durante o processo de análise à veracidade das Aparições. Durante a peregrinação do dia 13 de junho de 1931, o Bispo de Leiria leu um telegrama que enviou para o Vaticano, dirigido ao Eminentíssimo Cardeal Secretário de Estado, que referia que milhares de peregrinos, ali presentes, rogavam a Bênção Apostólica, além de outras considerações, dando também a conhecer aos fiéis, ali presentes, que o Papa Pio XI “se recomendou às nossas orações neste Santuário.”

O Cardeal Pacelli, logo a seguir, respondeu o seguinte: «Agradecido pela filial homenagem de adesão, o Santo Padre abençoa, de todo o coração, os peregrinos do Santuário de Fátima.»

PUBLICIDADE

Mais tarde, o Papa Pio XI escreveu aos Bispos de Portugal a carta “EX OFFICIOSIS LITTERIS”, referindo-se à Ação Católica, com o seguinte teor:        «Nessa Nação, de tão florescente de espírito cristão, tão rica em monumentos e glórias da Igreja Católica e a quem, recentemente ainda, a Virgem Maria Mãe de Deus concedeu benefícios extraordinários, não será difícil encontrar bons cidadãos que espontaneamente entrem nessa Milícia de Jesus Cristo.»

A Cova da Iria continuou fortemente enraizada no coração dos Pontífices, pois o Papa Pio XII, na sua Encíclica “ Saeculo Exeunte Octavo,” publicada no dia 13 de junho de 1940, sobre as Comemorações do 8º Centenário da fundação do nosso país e do Apostolado Missionário de Portugal, mencionou duas vezes o nome de Fátima: «…o Terço tão recomendado por Nossa Senhora de Fátima… e Nossa Senhora do Rosário de Fátima, a Senhora do Rosário que venceu em Lepanto (uma batalha naval, no Mar Jónico, travada entre uma esquadra da liga Santa, formada por vários países e o Império Otomano, no dia 7 de outubro de 1571, representando o fim da expansão Islâmica no Mediterrâneo), vos assistirá com a sua poderosa intercessão.»

Há uma forte coincidência entre a aparição do dia 13 de Maio de 1917 e a Sagração Episcopal (bispo) do Papa Pio XII que teve lugar nessa data, com certeza, à mesma hora em que Nossa Senhora se revelava aos Pastorinhos, em Fátima. Por essa mesma razão, os bispos portugueses reuniram-se, no dia 31 de outubro de 1942, na Sé de Lisboa, para um solene Te Deum, dando graças pelo 25º aniversário da sua Sagração Episcopal e das Aparições de Fátima. Nessa altura, o Papa Pio XII dirigiu-se, através da rádio, em Língua Portuguesa, a todas as gentes deste nosso país. Representou um acontecimento extraordinário na nossa história religiosa, pois foi, pela primeira vez, que um Sumo Pontífice falou, solenemente, na nossa língua materna, a todos os portugueses com palavras de elogio, acentuando os feitos e toda a entrega do povo português a Deus e a Maria. Eis algumas das suas palavras:

«Mais uma vez, neste ano de graça, subsistes em devota romagem à montanha Santa de Fátima, levando convosco os corações de todo o Portugal crente, para aí depositares aos pés da Virgem Padroeira o tributo filial do vosso amor acrisolado (intenso, purificado…) e a homenagem da vossa gratidão.

Glória, Bênção, Ação de Graças à Virgem Senhora, Rainha e Mãe da sua terra de Santa Maria que tem salvado mil vezes, que sempre lhe acudiu nas horas trágicas, e que, nesta talvez a mais trágica, o fez tão manifestamente que já em 1934 o nosso Predecessor Pio XI, de imortal memória, na Carta Apostólica “Ex officiosis litteris” atestava os extraordinários benefícios com que a Virgem Mãe de Deus acabava de favorecer a vossa Pátria.»

O Papa termina toda a sua alocução, consagrando o Mundo ao Imaculado Coração de Maria. Lúcia escreveu variadas vezes ao Santo Padre para que isso acontecesse. Há aqui uma conclusão clara: a ligação da devoção ao Coração de Maria com Fátima.

Principal fonte destas crónicas: “Fátima Altar do Mundo”, 3 volumes, sob a direção literária do Dr. João Ameal da Academia Portuguesa da História…

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS