OPINIÃO

OPINIÃO -

Fátima, sempre foi, já é e será sempre mais (63). Fátima entrou, rapidamente, no coração dos povos de todo o mundo

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A mensagem de Fátima depressa chegou aos povos de todo o mundo. Grande parte, acarinhou-a e interiorizou-a, expandiu-a ainda mais, multiplicando-se de tal maneira que, desde logo, Fátima tornou-se o “Altar do Mundo”. 

Não foram precisos muitos anos para que gentes de todas as classes sociais, de várias partes do globo, visitassem o local escolhido por Nossa Senhora, mesmo antes do Bispo de Leiria, no dia 13 de Outubro de 1930, declarar fidedignas as visões dos Pastorinhos. 

O Dr Luís Fischer, catedrático da Universidade de Bamberg, na Baviera, no seu livro «Fátima, Lourdes Portuguesa» chama ao fenómeno da Cova da Iria “ a formidável maravilha do século XX.” Em maio de 1929 assistiu à grande peregrinação a qual, com certeza, ajudou a igreja a credibilizar as Aparições, oficializando-as no ano seguinte. Segundo o jornal “A Voz de Fátima de 13 de fevereiro de 1957, este famoso teólogo resolveu, nas férias grandes desse ano, fazer uma visita de estudo pela Península Ibérica com o intuito de conhecer as grandes bibliotecas dos famosos centros universitários de aquém Pirenéus, inteirando-se da cultura, do catolicismo e da vida social das duas nações Ibéricas. O estudioso, Rev. Dr. Fischer, inteirou-se das realidades de Fátima, através de um periódico local onde leu uma crónica de Von Lama – “acontecimentos mais notáveis do mundo católico contemporâneo”. Vale a pena transcrever uma passagem publicada no jornal já citado “A Voz de Fátima”: «Conta ele mesmo no citado livro que no trajeto do Porto até à Fátima, nesse já longínquo 12 de Outubro de 1929, “sacerdotes e leigos, gente culta das cidades e pobre povo dos campos”, que enchiam o comboio, manifestavam um júbilo especial, comunicativo, ao dizerem: «Vamos para Fátima!» E o Autor confessa: «Esta palavra mágica dominou-me também a mim!» O crítico observador, frio como os da raça nórdica, ia-se moldando na têmpera escaldante do entusiasmo luso. Não o impressionara, por aí além, o primeiro contacto com o panorama buliçoso da Fátima em vigília de grande peregrinação. Porém, à noite, «quando o vale escuro se converteu rapidamente num mar vivo de fogo» esse lume pegou-se-lhe na alma: – «0 que aqui se vê é um espetáculo único, extraordinário que não tem similar em parte alguma do mundo!» E no seu espírito são evocadas as luzes de Kevelaer (Alemanha), de Einsiedeln (Suíça), de Altõtting (Alemanha – alta Baviera), de Lourdes (França) mesmo… e nenhuma brilha como as desta «noite santa no meio dum mundo corrupto». “Fátima é um Santuário único no seu género. Fátima só existe uma!” 

PUBLICIDADE

 A partir da sua visita, apercebendo-se da fé daqueles 300.000 peregrinos e de todo o contacto pessoal, literário… promoveu na Alemanha uma grande divulgação da mensagem e de todos os acontecimentos na Serra d’Aire, fazendo com que muitos dos seus compatriotas iniciassem visitas a Fátima. Logo em maio de 1931, grandes figuras ilustres da ciência e das letras da Alemanha visitaram a terra portuguesa onde a Virgem Santíssima quis deixar a sua Mensagem.

O Episcopado Português, em maio de 1936, deliberou, em reunião na Cova da Iria, ali voltar em força se Portugal fosse livre da “invasão comunista que ameaçava a Europa inteira”. O voto foi colocado na Capela das Aparições sem que os 250.000 peregrinos, oriundos também de outros países do mundo, se apercebessem, no meio dos quais se encontrava o nosso grande escritor António Correia de Oliveira, poeta católico que tinha Fátima a fervilhar no mais profundo do seu ser, publicando, mais tarde, um poema sobre Fátima – “A Azinheira em Flor”. Declarou a um jornalista, em 1933, que Portugal renasce a partir da Cova da Iria. O profeta do Portugal novo, como João Mendes lhe chamava, confiava, cada vez mais na “oração dos humildes, na penitência dos inocentes pelos pecadores e na misericórdia ação da Providência na história dos acontecimentos humanos” como fatores de libertação de uma Pátria em crise que se arrastava há décadas. Dizia ele que a Serra d’Aire consistia numa varanda “ sobre as cordilheiras e os abismos do mundo” de onde se projetava a mensagem celestial que um dia a Senhora, vestida de sol, transmitiu, fazendo com que as “portas de ouro” se abrissem e descesse às agruras da serra para falar com três inocentes crianças.

Principal fonte destas crónicas: “Fátima Altar do Mundo”, 3 volumes, sob a direção literária do Dr. João Ameal da Academia Portuguesa da História.OP

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.