BRAGA

BRAGA -

Ferrovia. CDS Braga apela ao recém-eleito presidente da CCDR-N que ponha fim ao “centralismo desmedido” de Lisboa e Porto

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A falta de investimento através do Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030 na ferrovia na região Cávado e Ave mereceu críticas da Concelhia de Braga do CDS-PP, que acusa o Governo de “centralismo desmedido” em benefício de Lisboa e do Porto. Bessa apela ao recém-eleito presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) que intervenha nesta questão que “se pode mostrar fracturante num futuro próximo”.

Lembrando que o partido reivindicou a ligação Braga-Vigo e a retoma da ligação Porto-Vigo, após término do estado de Emergência, Altino Bessa afirma que o PNI 2030 “pauta-se por falta de equitatividade territorial, conduzindo a uma série de assimetrias que não podem ser admissíveis”.

“Assiste-se, mais uma vez, a um centralismo desmedido”, atira o presidente da Concelhia centrista.

PUBLICIDADE

O também vereador do Ambiente e Alterações Climática, referindo que no debate sobre o PNI 2030 Lisboa reclamou mais comboios e o Porto apostou na expansão do metro, Bessa interroga “e Braga e as restantes regiões? Essas não têm viva voz?”.

APELO A ANTÓNIO CUNHA

“Este centralismo continua a ser prejudicial para o território em várias esferas.”, afirma, considerando que, na questão da mobilidade, “este seja um desafio” para o presidente da CCDR-N, António Cunha (eleito esta terça-feira, “na medida em que acredito que um dos seus intentos será o combate a tais desigualdades”.

O presidente da Concelho centrista frisa que “o PNI 2030 tinha que reflectir um amplo consenso em torno de prioridades de investimentos infra-estruturais nos sectores da mobilidade e transportes, ambiente e energia, imprescindível para o desenvolvimento colectivo e para a coesão territorial e social do país. Ora, sendo que nenhuma intervenção/melhoria está prevista para Braga e rede Quadrilátero [Braga, Guimarães. Famalicão e Barcelos], só podemos concluir que o território não é olhado de igual forma”.

E acrescenta. “Enceta-se uma melhoria na linha do Norte que pára no Porto? A melhoria não abrange Braga porquê? Esta e outras questões têm quer ser discutidas no sentido de reivindicarmos as mesmas condições de investimento para a região do Minho”.

“Sendo que o investimento na ferrovia faz parte do futuro, o mínimo no PNI era que houvesse consenso territorial. Temos nós que andar atrás do prejuízo? Isto é, temos de percorrer um longo caminho para recuperar o atraso? Não tem que ser assim e, como tal, sugerimos ao presidente da CCDR-N que tome este como um assunto prioritário (entre tantos outros).  Estamos certos que saberá defender os interesses do Eixo Braga-Guimarães e do Quadrilátero Urbano”, sustenta.

“IMPERATIVO REGIONAL”

Altino Bessa defende que “a ferrovia é um tema imperativo para o território tratando-se de um sector fundamental para o desenvolvimento da região em várias vertentes como o turismo, o urbanismo, a cultura, entre outras”. Assim, para o responsável centrista “urge que haja sensibilidade às necessidades do território”.

“Ou conseguimos mudar o paradigma ou estaremos sempre a insistir no erro”, alerta, apelando para que se faça do investimento na ferrovia “uma parte essencial e integrante de todo o território”.

Altino Bessa diz “confiar” que António Cunha, candidato único à CCDR-N indicado pelo PS e PSD, e com o apoio do CDS-PP, “será o principal defensor de compromissos e consensos na definição das prioridades nesta e noutras áreas preponderantes para a região, por isso, apelamos à sua intervenção numa questão que se pode mostrar fracturante num futuro próximo”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.