BRAGA -

BRAGA - -

Gabinete de Arqueologia da Câmara afirma que todos os procedimentos serão respeitados na Fábrica Confiança

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Na sequência de notícias vindas a público que associam a salvaguarda de vestígios das vias romanas com o processo de alienação da fábrica Confiança, o Gabinete de Arqueologia da Câmara Municipal de Braga esclarece que todos os procedimentos impostos pela Administração Local e Central cumprirão os requisitos legais.

Em comunicado, o Gabinete de Arqueologia refere que “constitui particular dever da Administração Central e Local, certificar-se de que os trabalhos por si avaliados, no domínio do licenciamento de operações urbanísticas, que envolvam transformações de solos, revolvimentos ou remoção de terreno no solo e no subsolo, estejam em conformidade com a legislação sobre a salvaguarda do património arqueológico (vide art.º 76.º, n.º3, a) e b) da Lei 107/2001 e art.º B-3/9.º, n.ºs 5 e 6, do Código Regulamentar do Município de Braga).

PUBLICIDADE

“Todas as operações urbanísticas que incidam em manchas devidamente inscritas na carta e ordenamento do PDM em vigor, como servem de exemplo, designadamente, as vias romanas, encontram-se obrigadas a colher parecer pelos órgãos de gestão do património cultural inventariado ou classificado (DGPC e serviços de arqueologia autárquicos), os quais, caso a caso, impõem as condicionadas prévias e necessárias à aprovação dos processos em avaliação”, refere.

Caso surjam vestígios arqueológicos achados de interesse cientifico e/ou patrimonial, durante os trabalhos desenvolvidos, no âmbito das condicionantes arqueológicas, entretanto impostas em sede do licenciamento processual, “é legalmente obrigatório, a aplicação de metodologia achada mais adequada ao seu correcto estudo e conservação”, explica o gabinete.

E explica que, conforme o preceituado no n.º 1 e n.º 2 do art.º 79.º da Lei 107 de 2001, “os serviços da administração culturais condicionam a prossecução de quaisquer obras, à adopção, pelos respectivos promotores, das alterações ao projecto em licenciamento, capazes de garantir a conservação, total ou parcial, das estruturas arqueológicas descobertas no decurso dos trabalhos”.

FG (CP 1200)

 

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS