JUSTIÇA -

JUSTIÇA - -

Gangue italo/croata julgado por assaltos a residências ouve sentença

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Acórdão do julgamento marcado para dia 15 no Tribunal.  Os seis elementos de um gangue italo-croata responsável por assaltos a residências em Braga, Oliveira de Azeméis e Famalicão, vai ouvir a «sentença». O grupo não prestou declarações ao coletivo de juízes, no início da audiência, isto apesar da prsença de um tradutor. Os seis estão em prisão preventiva.

O Tribunal procedeu à audição das testemunhas, os donos das casas assaltadas e os elementos da PJ/Porto que investigaram e detiveram os arguidos.

O Ministério Público concluiu que o grupo se instalou, em 2017, nos arredores de Matosinhos com o exclusivo propósito de fazer os assaltos. A acusação diz que fazem parte de uma organização internacional para crimes contra o património. A PJ apanhou-os ao terceiro assalto, tentado em Famalicão.

PUBLICIDADE

O Ministério Público do Tribunal de Matosinhos sustenta que os seis, com idades entre 25 e 44 anos, alguns com laços familiares como sucede com Nesa e Toni Jankovic (pai e filho) vinham a Portugal desde 2009, arrendando apartamentos para estadias que iam até aos três meses. O bando envolvia, ainda, Valentino Nicolic, Luca Braidich, Daniel Braidich e Marcus Rudolf. Ficaram presos preventivamente e vão ser julgados no Tribunal de Braga por furto qualificado e associação criminosa.

ASSALTAVAM NA PÁSCOA E NO NATAL

Faziam-no, sobretudo, nas épocas de Natal e da Páscoa, como sucedeu entre novembro de 2016 e abril de 2017, quando alugaram casa em Leça da Palmeira. Conforme o Vilaverdense noticiou, os seis foram, desde logo, detetados e seguidos pela PJ/Porto que os viu a comprar ferramentas diversas, incluindo máquinas e discos de corte de metais em hipermercados da zona. Nessa ocasião, terão estudado alguns alvos, mas voltaram para a Europa. Em Espanha, e seguidos pela PJ, deitaram, numa berma da auto-estrada, um saco com os vários lotes de ferramentas que haviam comprado, para os assaltos. A PJ seguiu-os e viu o despejo.

Mas voltaram em novembro, alugando outro apartamento na Senhora da Hora, em Matosinhos. No dia 24, fizeram o mesmo com um carro, um Fiat passando a deslocar-se nele e num Renault que trouxeram. E voltaram a comprar as ferramentas de corte e acessórios.

A 15 de dezembro, viajaram até Braga, parando junto a uma casa na Rua do Venâncio em Nogueira, propriedade de um casal. Com as máquinas numa mochila, de cara tapada e luvas, rebentaram o canhão da porta e partiram um vidro. Furtaram, de seguida, 18 objetos valiosos, muitos em ouro, que valiam quase 50 mil euros.

No dia seguinte, repetiram o crime, desta vez numa casa na Rua Nossa Senhora da Nazareth, em Oliveira de Azeméis, de onde levaram dez objetos, no valor de 35 mil euros. E algum dinheiro, em notas. No dia 17, trocaram de carro e foram a uma casa na Rua Dr. José Santos Leite, em Ribeirão, Famalicão. Cortaram a persiana e entraram. Só que a dona chegou e os quatro – dois deles ficavam sempre de vigia no exterior – saíram apressadamente. Quando chegaram ao apartamento, tinham um brigada da PJ à espera. Nas buscas, a PJ encontrou cartões de crédito e de telemóveis, muita ferramenta, dinheiro e bilhetes de avião. Um deles, Marcus Rudolf tinha dois mandados de detenção por furto qualificado, praticados em Gandra, Valença e em Viana do Castelo. Um outro, Valentino Nicolik fora já condenado pelo mesmo crime cometido em Carreço, Viana do Castelo.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS