REGIÃO

REGIÃO -

Infraestruturas de Portugal autoriza lançamento de estudos para troço Porto-Braga de alta velocidade

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Infraestruturas de Portugal (IP) lançou a autorização de despesa para a realização de estudos preliminares, prévios e ambientais para a ligação Porto-Braga da futura linha de alta velocidade Porto-Vigo, segundo despachos publicados esta quarta-feira.

De acordo com os despachos publicados esta quarta-feira no Diário da República (DR) pela IP, para o estudo preliminar e prévio foram alocados 425 mil euros e para os estudos ambientais 325 mil euros, montantes aos quais acresce IVA.

“A presente atividade será integrada em futura candidatura no âmbito do Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027”, refere o texto presente em ambos os despachos, que deliberam o lançamento dos procedimentos pré-contratuais para os estudos.

No dia 25 de janeiro, a IP já tinha lançado as autorizações de despesa para a atualização do estudo prévio do troço Braga-Valença da mesma linha, bem como para a realização de estudos ambientais, por 425 mil euros para cada caso.

Ambos os troços são parte da ligação Porto-Vigo, que inclui ainda a ligação entre a estação portuense de Campanhã e o aeroporto Francisco Sá Carneiro, feita maioritariamente em túnel, e a ligação do aeroporto a Braga.

No dia 12 de janeiro, o vice-presidente da IP, Carlos Fernandes, tinha dito que o desenho do projeto da linha de alta velocidade entre Braga e Valença, parte do eixo Porto-Vigo, iria arrancar “nas próximas semanas”.

“Penso que, em condições normais, teremos possibilidade de lançar também este concurso [Braga-Valença] dentro de um ou dois anos e, portanto, dar cumprimento ao programa que está planeado”, frisou Carlos Fernandes.

Em 07 de novembro, a IP apontou para 2027/2028 o arranque das obras da ligação ferroviária de alta velocidade entre Porto e Vigo, revelando que decorrem já estudos nos dois países.

“A previsão é que tudo esteja pronto para que em 2027/2028 as obras possam arrancar”, afirmou o vice-presidente da IP, à margem das jornadas Redes de Transporte e Logística na Fachada Atlântica, organizadas pela Associação Espanhola de Transporte e pelo Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular.

O responsável referiu que a obra “dificilmente estará concluída em 2030”, mas observou que nada obriga a que só fique pronta em 2040, o prazo estipulado pela União Europeia para concluir a “rede alargada do corredor atlântico transfronteiriço”.

Para já, apenas foi lançado o concurso público para a linha de alta velocidade Porto-Lisboa, que deverá ligar as duas principais cidades do país em cerca de uma hora e 15 minutos, com paragens possíveis em Vila Nova de Gaia, Aveiro, Coimbra e Leiria.

A primeira fase (Porto-Soure) deverá estar pronta em 2030, com possibilidade de ligação à Linha do Norte e encurtando de imediato o tempo de viagem, estando previsto que a segunda fase (Soure-Carregado) se complete em 2032, com ligação a Lisboa posteriormente, assegurada via Linha do Norte.

No total, segundo o Governo, os custos do investimento no eixo Lisboa-Valença rondam os sete a oito mil milhões de euros.

PUBLICIDADE

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
3€ / mês

* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 36€ / ano.