INOVAÇÃO –

INOVAÇÃO – -

Investigadora da UMinho ganha bolsa do maior acelerador de partículas do mundo

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Natural de Paredes de Coura, Ana Peixoto, aluna do doutoramento em Física nas universidades do Minho, Porto e Aveiro, é a primeira portuguesa a vencer uma bolsa ATLAS PhD Grant, que lhe permite investigar durante um ano no Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), na Suíça. A distinção foi entregue esta terça-feira, numa cerimónia realizada naquela entidade.

A também investigadora do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (LIP Minho) mostrou-se “extremamente contente”, pois concorreram centenas de pessoas de todo o mundo às três bolsas ao dispor; as outras duas foram para alunos fora de Portugal.

PUBLICIDADE

O CERN é o maior acelerador de partículas do mundo, onde se detectou em 2012 o bosão de Higgs, a partícula que confere massa às outras partículas. Ana Peixoto está na equipa internacional que agora quer aprofundar o conhecimento sobre o quark top, a partícula fundamental mais pesada que conhecemos e que só pode ser criada em aceleradores de partículas, como o Grande Colisionador de Hadrões no CERN.

Sabendo que o quark top se desintegra quase sempre da mesma forma, a observação de outros tipos de desintegração pode apontar para uma nova física, mudando o modo como deciframos o universo. Ana Peixoto vai focar-se nessas desintegrações raras do quark top, em concreto nos mecanismos que as poderiam originar e nas suas implicações para o conhecimento das partículas fundamentais.

Além da análise e da interpretação dos dados, a cientista aproveitará a estadia no CERN para efectuar trabalho técnico no detetor ATLAS.

Nascida em Paredes de Coura há 26 anos, Ana Peixoto fez a licenciatura e o mestrado em Física na UMinho, onde é agora orientada no doutoramento por Nuno Castro, do Departamento de Física.

A ATLAS PhD Grant visa estimular jovens doutorandos talentosos e motivados na experiência ATLAS, ao permitir-lhes aí trabalhar em estreita colaboração com mais de 3000 cientistas de 38 países.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS