JUSTIÇA –

JUSTIÇA – -

Ministério Público recorre de acórdão dos TUB que considerou crimes como prescritos

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Procuradoria-Geral Distrital do Porto anunciou, no seu site, que vai recorrer, para o Tribunal da Relação de Guimarães, do acórdão do Tribunal de Braga que considerou que terá havido corrupção para acto lícito na gestão dos Transportes Urbanos de Braga, mas concluiu que os crimes, alegadamente praticados por Vítor Sousa, Cândida Serapicos (ex-gestores da empresa municipal) e Luís Paradinha (antigo administrador da MAN/Portugal), prescreveram em 2013.

O recurso do MP só deve ser entregue após as férias judiciais, ou seja, no final de Setembro.

PUBLICIDADE

No mesmo acórdão, o colectivo de juízes absolveu o antigo director técnico dos TUB Luís Vale e a própria MAN/Portugal.

Recorde-se que os arguidos, nomeadamente Vítor Sousa e Cândida Serapicos, sempre se manifestaram inocentes, tendo o advogado Artur Marques posto a hipótese, após a leitura da «sentença», de também vir a recorrer.

“No processo em que se investigaram as circunstâncias de aquisição de vários autocarros pela empresa TUB (Transportes Urbanos de Braga EM), a que se reportam as comunicações inseridas neste sítio a 17.01.2017 (acusação) e 12.06.2017 (despacho de pronúncia), o Tribunal Judicial da Comarca de Braga (Braga, juízo central criminal), por acórdão datado de 10.07.2019, decidiu absolver três arguidos da prática de um crime de corrupção passiva para acto ilícito e da prática de um crime de administração danosa”, escreve a Procuradoria.

E acrescenta: “relativamente a estes mesmos arguidos, o Tribunal considerou extinta a pena  de corrupção para acto lícito e absolveu dois arguidos, um dos quais uma pessoa colectiva, da prática de um crime de corrupção activa em prejuízo do comércio internacional e, relativamente a um destes – o arguido pessoa singular – julgar extinto o procedimento criminal, pela prática de um crime de corrupção activa”.

E a concluir, anuncia: “Não se conformando com o assim decidido, o Ministério Público vai interpor recurso.”

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS