JUSTIÇA –

JUSTIÇA – -

MP arquiva três inquéritos à gestão de Mesquita Machado

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Três inquéritos judiciais à gestão do ex-presidente da Câmara, Mesquita Machado, foram arquivados pelo Ministério Público de Braga. Partiram de duas auditorias feitas pela PWC, ao Município e à empresa SGEB.

Abrangiam a construção da piscina olímpica, a constituição da SGEB, a PPP (Parceria-público-privada) dos equipamentos desportivos, e o perdão, ao Sporting Clube de Braga, de 500 mil euros da conta da electricidade do estádio municipal.

No despacho de arquivamento, o MP diz que não encontrou provas do crime de prevaricação em nenhum dos três casos.

PUBLICIDADE

O Jornal de Notícias de hoje escreve que o caso da investigação à construção da piscina olímpica, anexa ao novo estádio e que nunca foi acabada estando, ainda, em esqueleto de cimento – estava em causa a suspeita de “procedimentos ruinosos” e o facto de ter avançado sem visto do Tribunal de Contas.

A 1ª fase da obra, denominada «Estruturas e redes enterradas», foi adjudicada, em 2004, à firma Sá Machado & Filhos, por 6,5 milhões de euros.

A 2.ª fase, a de «Acabamentos e especialidades» não foi avante por falta de fundos comunitários.

Questionado sobre o tema, Mesquita Machado disse que se tratou de uma decisão política e que, àquela data, o visto não era obrigatório. Explicou que a piscina se enquadrava na construção de um «Parque Norte», com infra-estruturas desportivas e zona verde.

Tese que, na dúvida sobre a necessidade do visto, o MP aceitou, até porque, “a existir crime já estaria prescrito”.

O mesmo sucedeu no caso da PPP da SGEB (Sociedade Gestora de Equipamentos de Braga), nascida em 2009 e que o actual presidente da Câmara, Ricardo Rio, considera ter sido “ruinosa” dado que implica o pagamento de 180 milhões de euros, em 20 anos, pela construção de 34 equipamentos, a maioria relvados sintéticos nas freguesias. O investimento inicial foi de 70 milhões.

Em causa estava o facto de os dois parceiros privados, as firmas Irmãos Borges (do grupo ABB) e a Ar-Lindo Correia terem emprestado, a título de suprimentos, 12,5 milhões de euros para que esta pudesse investir.

Fizeram-no contratando um juro anual de 7,35%, o que estaria acima do que se praticava no mercado. O MP concluiu, no entanto, que o juro que a SGEB contratou com a banca era de 6%, pelo que o diferencial de 1,35% era aceitável atendendo ao risco que os dois accionistas corriam.

Por último, e no que toca aos 500 mil euros perdoados ao Sporting de Braga, de consumos entre 2007 e 2012, o MP não encontrou qualquer indício de crime. Actualmente é o clube quem paga a conta.

DOIS JULGAMENTOS

O ex-autarca socialista foi recentemente condenado pelo Tribunal de Braga a três anos de prisão, suspensos na sua aplicação, pelo crime de participação económica em negócio.

Terá querido favorecer o genro no negócio de aquisição pela Câmara, por três milhões, de três prédios no quarteirão das Convertidas, na Avenida Central. Mesquita recorreu para a Relação de Guimarães.

Na semana passada foi pronunciado para julgamento, pela prática do crime de prevaricação, em co-autoria com o empresário António Salvador. A acusação diz que ambos se conluiaram para beneficiar a construtora Britalar ampliando o número de lugares do contrato de concessão da exploração dos parcómetros, em 2013.

O ex-autarca, e de novo em parceria com Salvador, da Britalar, está, ainda, a ser investigado por causa da ampliação, em 2012, do túnel da Avenida da Liberdade.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS