GREVE MOTORISTAS: Normalidade nas primeiras horas de greve dos motoristas

GREVE MOTORISTAS:
Normalidade nas primeiras horas de greve dos motoristas

Relativa normalidade. É o que se sente nas primeiras horas da greve que arrancou esta segunda-feira, por tempo indeterminado, convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM). A maioria dos portugueses terá acautelado os abastecimentos antes do início da greve.  

Em Aveiras, os primeiros camiões de serviços mínimos começaram a sair da Companhia Logística de Combustíveis (CLC) pelas 6.30 horas, com destino ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

PUBLICIDADE

Circulam escoltados por patrulhas da GNR, incluindo na A1.

Na CLC, baias e militares da GNR impedem os piquetes de greve de se aproximarem dos camiões. Pelas 7.30.horas, estavam no local entre 20 e 30 grevistas.

Outros concentram-se na rotunda de acesso à A1, em Aveiras.

O QUE ESTÁ EM CAUSA?

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM) pretendem um acordo para aumentos graduais no salário-base até 2022: 700 euros em janeiro de 2020, 800 euros em janeiro de 2021 e 900 euros em janeiro de 2022, o que, com os prémios suplementares que estão indexados ao salário-base, daria 1400 euros em janeiro de 2020, 1550 euros em janeiro de 2021 e 1715 euros em janeiro de 2022.

O SNMMP protagonizou a greve de abril. Tem pouco mais de 800 membros, juntando-se nesta luta aos 1200 do SIMM. Juntos, não chegam a ter 50% dos filiados da Fectrans.

[email protected]

com JN