OPINIÃO

OPINIÃO -

O meu “Dr. João Lobo”

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Por Miguel Brito

Passámos meses sem nos ver, mas sempre que me cruzava com ele, além da vénia formal, havia um sentido cumprimento. Tratava-o por Dr. João Lobo e ele tratava-me sempre por Dr. Miguel Brito. Nunca quebrámos esta vénia. Sou um dos advogados que tiveram o privilégio de estar perto dele. As minhas impressões, justamente por serem as minhas, permite-me que sugira um título tão intimista.

PUBLICIDADE

O Dr. João Lobo nas suas várias dimensões de Professor, Político, Advogado, Escritor acabou por se tornar um legado público. Cada um aproveitará esse legado como aprouver, este é o meu testemunho.

A expressão desse reconhecimento generalizado foi evidente nas suas cerimónias fúnebres, que recebeu tantas pessoas que ali se mantiveram em silêncio e o acompanharam à sua última morada “Santa Maria de Mós”.

Muitos advogados, políticos e ilustres do distrito de Braga, muitos amigos, de todos os quadrantes e sensibilidades prestaram-lhe homenagem.

Há uma altura da cerimónia de maior silêncio em que reparei no público que ali estava por causa do Dr. João Lobo e fez sentido uma das mensagens que ali foi prestada por alguém que dizia: “deixem ouvir o silêncio”. Senti e ouvi esse silêncio.

O Dr. João foi o maior tribuno e maior advogado que jamais conheci. Fazia alegações como nunca vi fazer. Era reconhecida a sua cultura clássica e humanística, a sua forte preparação jurídica e um dom, para ver a vida tão sublime, tão literária e tão nas alturas. Era o melhor de nós e por isso concita tantas homenagens e tanto espanto, diante da sua “egrégia vida”.

 

Em tantas acções judiciais que acompanhei, destaco três que retive para sempre e que são antológicas.

A defesa do Padre Dr. António Marques, Director do Diogo de Sousa, julgado no Tribunal de Braga, em que resultou a sua absolvição, as alegações do Dr. João foram notáveis: “Se não puderes dizer algo mais forte que o silêncio, fica calado”. Fazia isso com tanto estilo, grandeza e cultura que as suas alegações se tornaram memoráveis e inesquecíveis para quem o escutava.

No processo judicial Associação Ambiental da Serra do Carvalho, onde se instalou a “Braval”, numa matéria que envolvia direito ambiental, direito europeu e processo, desfilaram grandes sociedades de advogados de Lisboa, repleta de especialistas, que sucumbiram à caneta do causídico João Lobo. Escrevia à mão, sentado na sua secretária, horas e horas em silêncio, buscando fontes, doutrina, legislação e dando sempre em cada peça, uma lição magistral.

Nos tribunais ninguém o bateu e perdia nas “Secretarias” onde o seu tamanho não permitia entrar.

O currículo do Dr. João Lobo podia ter apenas inscrito “Advogado” e todos o reconhecíamos com vénia e gratidão.

Foi também político e tribuno.

Na Assembleia Municipal de Braga, revelou as suas qualidades de independência e coragem. Recordo o combate de grande elevação jurídica sobre a venda do sub-solo de Braga a uma empresa privada. Se o tivessem seguido talvez o desfecho seria outro e foi também na “Secretaria” que sucumbiu onde o seu tamanho e grandeza não permitia entrar.

Foi o maior quadro e mais bem preparado militante do PSD de Braga. Era um Príncipe da Política e um Homem Livre.

Nunca chegou a ser deputado europeu, tema que conhecia melhor que todos e que foi o seu foco académico mas que o PSD desaproveitou.

Foi deputado de “missão” e não continuou por não jogar na secretaria.

A sua escolha para estes lugares era incompatível com a sua liberdade e a sua postura.

Serviu como Presidente da Assembleia Municipal de Vila Verde, onde tinha as suas raízes mas podia ter ido mais longe, muito mais longe.

Talvez para ele a grande missão era ser advogado e ali regressou, com banca aberta, num exercício de profissional liberal estrito, independente e livre.

Tinha uma estética de vida conservadora e trajava com sobriedade.

Um dia deu-me uma lição de vida, entre tantas, sobre mentalidades e costumes, contando-me um conto de Jack London sobre um médico e uma secretária que nutriam uma paixão um pelo outro, mas que acabaram os dois por morrer sem saber dessa “paixão”.

Era um homem de raízes e de cultura clássica ímpar. A última vez que o vi, talvez na véspera antes de partir, vi-o sentado a tomar um café. Trazia um chapéu de xadrez muito bonito e que lhe ficava muito bem.

Nele havia uma estética do exemplo e da elegância. Não era por acaso que era um “homem alto”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.