OPINIÃO

OPINIÃO -

O mundo em que vivemos

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Sabemos que as pandemias, ao longo da história,  são frequentes e que muito antes do Homem surgir no Planeta Terra, já existiam micróbios. A bactéria mais antiga do planeta existe há milhares de milhões de anos e os vírus há, pelo menos, 300 milhões de anos. Nós é que somos os recém-chegados nesta longa evolução da vida na Terra.

Em todos os momentos pandémicos já vividos pela humanidade se viu que as coisas nunca mais voltaram a ser como antes e o mesmo vai acontecer agora. 

Algumas dessas mudanças poderão ser temporárias mas outras ficarão enraizadas no nosso estilo de vida à medida que vamos tentando sobreviver.

PUBLICIDADE

Como todos sabemos, a Organização Mundial de Saúde declarou o atual surto de coronavírus como uma pandemia, por esta doença se ter espalhado por todo o mundo. Não é este facto que determina por si só o grau de gravidade da doença ou até o seu impacto, mas mesmo numa pandemia com uma taxa de mortalidade relativamente baixa, se uma parte grande da população for infetada, o número total de casos graves poderá ser bastante grande, colocando em enorme pressão o Serviço Nacional de Saúde e causando enorme perturbação social e económica.

É nestas alturas que tomamos consciência de que a globalização, que trouxe enormes benefícios para milhões de pessoas, traz consigo também algumas fragilidades. Não é possível controlar um foco infecioso desta natureza quando existe um milhão de pessoas a viajar de avião e muitos mais milhões a passear em cruzeiros. Temos de encontrar soluções futuras.

Temos também de estar otimistas pois, nos nossos dias, assistimos à crescente capacidade científica para identificar as causas e encontrar soluções para as pandemias. 

Hoje pelo conhecimento que temos da estrutura do vírus conseguimos desenvolver técnicas médicas  para nos defendermos dele e adotar medidas de saúde pública que impedem a sua propagação. 

A este propósito, convém referir que embora existam mil e um produtos quase 100% eficazes na eliminação de bactérias, nesta doença é de um vírus que se trata. Um tipo de organismo bem diferente. Mas pasme-se, a situação é bem mais simples e económica, pois uma das formas mais eficazes de o matar é com o nosso “velho amigo” – o sabão.

Várias interrogações se levantam face ao futuro mas o que é importante é que saibamos hoje aprender a lição para podermos lidar com outras pandemias no futuro.  Temos de deixar de investir no curto prazo para podermos estar um passo à frente dos acontecimentos e garantirmos a nossa segurança.

Há aproximadamente 4600 milhões de anos que a Terra gira à volta do Sol. Desde então muito fenómenos se sucederam: formaram-se mares, surgiram e foram evoluindo diversas formas vivas, os continentes deslocaram-se, ergueram-se montanhas, a atmosfera alterou-se….

É bom que tenhamos um pouco de humildade em relação ao lugar que ocupamos nesta ordem natural do planeta em que vivemos.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS