1ª MÃO: Tribunal Central Administrativo do Norte rejeita efeito suspensivo de recurso da ESSE

1ª MÃO: Tribunal Central Administrativo do Norte rejeita efeito suspensivo de recurso da ESSE -

Parcómetros em 32 ruas e praças de Braga regressam até ao fim de maio

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Tribunal Central Administrativo do Norte rejeitou, sexta-feira, o efeito suspensivo ao recurso que a ESSE interpôs da decisão do «Administrativo» de Braga de não aceitar a providência cautelar através da qual pretendia parar o resgate, decidido pela Câmara, do estacionamento à superfície na cidade.

O advogado do Município, Fernando Barbosa e Silva disse ao Vilaverdense/PressMinho que o juiz deu razão à tese que expandiu na contestação ao recurso, e onde constava o parecer da jurista Isabel Celeste Fonseca, Doutora em Ciências Jurídico Políticas pela Universidade do Minho, dando razão à Câmara, ao dizer que, “o direito da empresa a uma ação de indemnização já caducou”.

“Tendo a Câmara comunicado à ESSE a decisão de resgate, cujo aviso de receção foi assinado a 09.05.2016, verifica-se a manifesta caducidade do direito da ESSE de propositura da ação administrativa dirigida contra aquele ato”, sustenta, acrescentando que, “em 2018, regista-se, na verdade, a formação de caso decidido”.

PUBLICIDADE

O documento consta da contestação feita pela Câmara ao recurso que a ESSE interpôs da decisão do Tribunal de Braga de rejeitar a providência cautelar colocada contra a decisão de resgate da concessão, que produzia efeitos a 9 de janeiro, data em que passavam cinco anos de contrato entre as partes.

No recurso, a ESSE pedia, ainda, que o mesmo tivesse efeitos suspensivos, ou seja, que suspendesse o resgate até à decisão final da ação indemnizatória, onde pede uma verba que pode variar entre 30 e 71 milhões de euros.

“A atribuição de efeito suspensivo a um recurso interposto de uma sentença proferida no âmbito de uma providência cautelar – não está legalmente prevista e é, por isso mesmo, inadmissível. já que a ponderação de interesses aí referida, foi já devidamente realizada e analisada em sede da apreciação feita na decisão proferida em 1ª Instância”, afirma o advogado municipal.

PARCÓMETROS DE REGRESSO

O Município de Braga retoma, até final do mês, o pagamento de parcómetros em 32 ruas e praças.

A cobrança deixou de ser efetuada a cinco de abril, quando a ESSE, a ex-concessionária do estacionamento à superfície, desligou o sistema informático, pondo os parcómetros «fora de serviço». E dando uma «borla» aos automobilistas.

O presidente da Câmara, Ricardo Rio disse ao que, foram já recolhidos 1837 euros em moedas que estavam nas máquinas, estando a ser dada a necessária formação informática aos agentes da Polícia Municipal para poderem atuar no terreno, fiscalizando o pagamento e conhecendo os cidadãos que pagam avença.

Luís Moreira

(CP 8078)

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.