BRAGA

BRAGA -

PCP acusa Governo de ignorar investimentos que distrito de Braga precisa

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Direcção da Organização Regional (DOR) de Braga do PCP afirma que a proposta de Orçamento do Estado que o Governo apresentou “se já era desajustada há cinco meses e mais desajustada é hoje, tendo em conta a degradação da situação nacional e internacional a que se assiste”.

Em nota ao PressMinho/OVilaverdense, os comunistas reafirmaram, esta terça-feira, que o documento socialista agora apresentado “é no fundamental” a proposta que foi rejeitada em Outubro” passado, adiando medidas que “Braga precisa”, por ausência de verbas. 

A construção do novo Hospital Barcelos – Esposende, a expansão das instalações do Hospital de Braga, a concretização da linha ferroviária directa entre Braga e Guimarães e o reforço do PART – Plano de Apoio à Redução Tarifária, de forma à implantação da intermodalidade nos transportes públicos no distrito são algumas das “opções fundamentais” esquecidas pelo Governo.   

PUBLICIDADE

A concretização da variante à EN 14 na travessia da Trofa (Famalicão/Trofa/Maia) e o reforço meios para a Universidade do Minho e para o Instituto Politécnico do Cávado e do Ave são outros investimentos públicos que ficaram de fora do Orçamento de Estado, que é discutida na especialidade entre os dias 23 e 25, voltando ao plenário para a votação final global no dia 27.

A DORBraga critica a recusa do aumento geral dos salários “tão necessário numa região como Braga em que milhares de trabalhadores auferem o salário mínimo nacional”, não promove a valorização das profissões, das carreiras e das pensões e ignora o agravamento do custo de vida, que “já se pressentia no final de 2021, subestimando os valores da inflação e transferindo para cima dos trabalhadores, dos reformados e das MPME, os custos do aumento dos preços de bens e serviços essenciais, com o exemplo gritante da recusa em controlar e fixar preços dos combustíveis”.

GOVERNO PRISIONEIRO DO EURO

Os comunistas frisam que o Governo PS “continua a recusar as soluções defendidas pelo PCP”, soluções que “faltaram há seis meses e continuam a faltar nesta proposta”. 

Trata-se, afirmam, de “uma proposta que está prisioneira da submissão às imposições do Euro, que coloca a redução do défice como objectivo primeiro da política orçamental, em detrimento da resposta aos problemas de Braga e do país, como se confirma pelo facto de fixar agora o objectivo de atingir um défice de 1,9%, muito abaixo da previsão que constava da primeira proposta de OE (3,2%).

Para o PCP, “não será nem com esta política nem com este orçamento, que se irão suprir as insuficiências na fixação de médicos, enfermeiros e outros profissionais que todos os dias fazem falta nos equipamentos de saúde da região, nem a falta de professores que se regista em dezenas de escolas, nem a resposta aos problemas da habitação, entre outros”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.