JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Pedro Soares (BE) revela certidão de arquivamento do MP sobre caso “morada do deputado”

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Pedro Soares, deputado eleito por Braga na legislatura de 2015 a 2019, tornou pública a Certidão do Despacho de Arquivamento com a sentença do Procurador da República, já transitada em julgado, sobre o seu alegado envolvimento no chamado “caso das moradas dos deputados”.

Na certidão lê-se que não ter havido “benefício económico” nem qualquer “motivação ilegítima para a indicação de outra morada”.

“Ficou provado que a morada indicada apenas se destinava a maior facilidade de contacto, não havendo qualquer benefício económico ou qualquer motivação ilegítima, de acordo com as conclusões da investigação levada a cabo pelo Ministério Público (DIAP/Lisboa)”, refere o bloquista em comunicado anexo ao documento oficial que dá conta do arquivamento do processo.

PUBLICIDADE

Salientando que o processo teve origem em denúncia anónima, Pedro Soares manifesta “forte satisfação” com a realização do inquérito pelo MP “que veio, com a investigação e a clareza das suas conclusões, ‘deitar por terra’, conforme é referido, a campanha difamatória que foi conduzida junto da opinião pública para procurar colocar em causa a imagem do deputado e do BE”.

Pedro Soares, recordando que Legislativas de 2019, o BE passa a sua representação parlamentar no círculo de Braga de um para dois eleitos, diz que a “campanha difamatória não surtiu efeito, afirmando-se o trabalho realizado ao longo da legislatura em defesa dos interesses da população e da região”.

“Não deixa de ser revelador que quem sustentou e procurou tirar dividendos dessa campanha não tenha agora uma palavra a dizer, mantendo-se no silêncio”, acrescenta. “Em vez de um gesto de solidariedade, procuram alguns evitar que esta informação circule, continuando a refugiar-se na intriga. Não surpreende, apesar de lamentável, porque define o perfil de certos caracteres”, escreve.

Frisa que própria RTP, “que lançou a suspeita”, “ainda não encontrou tempo nem oportunidade para transmitir publicamente as conclusões da investigação que destroem as falsidades que, irresponsavelmente, apresentaram em horário nobre”.

“Procurei durante este período defender o Bloco de ataques soezes não me candidatando a qualquer cargo ou órgão partidário de maior relevância até que tudo ficasse esclarecido, como aconteceu”, adianta, assegurando que saiu “reforçado deste combate e de pé”.

“Dedico-me à minha actividade profissional, como docente universitário e investigador, Não virei a cara à luta e assim vou continuar nos combates com que me identifico, dentro e fora do Bloco”, remata.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.