ESCLARECIMENTO - Polémica sobre o abate de árvores no Largo Antunes Lima

ESCLARECIMENTO -
Polémica sobre o abate de árvores no Largo Antunes Lima

Patrício Araújo, vereador da autarquia de Vila Verde, esclarece que – a propósito do abate de árvores no largo Antunes Lima, situação levantada pelo vereador da oposição José Morais – existe uma interpretação errada das suas palavras. «O que eu quis afirmar é que o PS votou favoravelmente o projecto de requalificação urbanística na Vila de Prado, que inclui o largo Antunes Lima, e que esse assunto era conhecido pelos vereadores do PS».

Esclarece e reafirma que «quanto à retirada das árvores, estão a ser substituídas árvores indiferenciadas, por árvores qualificadas e próprias para jardins, como magnólias, ameixoeiras de jardim e olaias. O saldo entre árvores a abater e que serão plantadas será francamente positivo, No final serão mais sete árvores que serão colocadas».

A situação surge a propósito da nota de imprensa enviada à nossa redacção pelo Vereador do Município, José Morais, acerca do corte de árvores no Largo Antunes Lima, na Vila de Prado, o qual considera «um «crime ambiental».

PUBLICIDADE

Em nota enviada à nossa redacção, o socialista refere que «a Vila de Prado acordou hoje com um triste cenário. Abateram várias árvores de grande porte no Largo Antunes Lima (Largo da Botica). Nenhum projecto de cimento e pedra pode justificar este abate», disse, acrescentando «a candidatura a fundos comunitários previa que a requalificação deste largo seria feita salvaguardando e valorizando a arborização existente. Então porquê agora este corte das árvores? Porquê este crime ambiental?», questiona.

Na mesma nota, José Morais diz também que uma decisão deste tipo «deveria ter sido colocada à consideração da população e discutida em reunião de Assembleia de Freguesia e em reunião de Câmara, o que não aconteceu» e que «este não é o exemplo» que deveria ser dado às crianças no que diz respeito à protecção do ambiente».