REGIÃO

REGIÃO -

Portugueses premiados pela divulgação do caminho de Braga a Santiago de Compostela

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A União de Freguesias de Caldelas, Sequeiros e Paranhos, em Amares, e os peregrinos portugueses Henrique Malheiro e José Eusébio foram distinguidos com os Prémios Abadessa Mariana, atribuidos pela associação espanhola Codeseda Viva a personalidades e instituições que contribuem para a promoção do Caminho da Geira e dos Arrieiros.

A organização anunciou a atribuição dos galardões que, além dos portugueses, contemplaram também os espanhóis Xesús Palmou, presidente da Academia Jacobeia; a Associação de Amigos da Terra de Montes, e José e Josefa Rodríguez, pai e filha, residentes Beariz, pelo seu apoio aos peregrinos.

PUBLICIDADE

Os Prémios Abadessa Mariana são entregues anualmente para assinalar a certificação do Caminho da Geira e dos Arrieiros pelo Arcebispado de Santiago de Compostela. Esta edição contemplou também 2020, devido às dificuldades criadas pela pandemia.

A cerimónia de entrega está marcada para sexta-feira, dia 9, e apenas assistirão os premiados espanhóis, autoridades e colaboradores da organização, uma decisão resultante das regras de combate à pandemia. Aos portugueses serão entregues por vídeo-conferência.

O troféu é uma tábua em madeira de castanheiro, com um círculo no meio de duas conchas de vieira, representando um símbolo gravado numa pedra do antigo mosteiro de Codeseda, hoje colocada no muro exterior da igreja da localidade galega.

“Com os prémios queremos agradecer aos vencedores a sua colaboração e estender o agradecimento às dezenas de pessoas, associações e entidades que nos ajudaram, bem como às centenas de peregrinos que escolheram este caminho para a sua peregrinação. Se tivéssemos que dar uma tábua a cada um deles, talvez não houvesse castanheiros suficientes na paróquia de Codeseda para fazê-los”, assinala a associação.

O nome do prémio homenageia a primeira abadessa do mosteiro de Codeseda, Mariana Fernández, que assumiu o cargo em 1164, mantendo a sua condição de feminino até desaparecer, por volta de 1419. Sobre o mosteiro há referências escritas desde princípios do século IX.

O Caminho da Geira e dos Arrieiros foi apresentado em 2017 em Ribadavia (Galiza) e Braga, reconhecido pela Igreja em 2019, reconhecido pela associação de municípios transfronteiriços Eixo Atlântico em 2020 e é um itinerário oficial da Peregrinação Europeia de Jovens do Ano Santo Jacobeu 2021/22.

Neste momento, falta apenas ser homologado pelo governo da Galiza. O processo será agora conduzido pela  Associação para o Fomento do Caminho da Geira e dos Arrieiros, liderada pelo presidente do concelho galego de A Estrada, José López Campos. Isto porque a associação Codeseda Viva considera que, “concluídas as investigações, a certificação pela Igreja e a consolidação da passagem dos peregrinos, está feito o que uma associação cultural pode alcançar, pelo que para si é um projecto completado”.

Este percurso, que liga Braga a Santiago de Compostela na distância de 240 quilómetros, destaca-se por incluir patrimónios únicos no mundo: a Geira Romana e a Reserva da Biosfera do Gerês/Xurés. O traçado é um dos cinco que ligam directamente à Catedral de Santiago de Compostela, entre centenas existentes na Europa com destino à capital da Galiza.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS