OPINIÃO –

OPINIÃO – -

Presos por ter cão e por não o ter

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Longe vão os tempos em que, no concelho de Vila Verde, se falava daquilo que estava por fazer. Fala-se, hoje, daquilo que foi feito, do muito que está a ser feito e do que ainda vai ser feito. Aqui como em outros locais, é-se, no entanto, preso por ter cão e por o não ter.

Se não se fazia, era porque não se fazia. Agora (há já mais de duas décadas), que se faz, lá vão emergindo os velhos do Restelo a propalar o que está mal e a vaticinar as maiores desgraças em tudo e mais alguma coisa.

Se as escolas estavam velhinhas e a meter água e frio por tudo quanto era lado, bradava-se que se tinha um parque escolar obsoleto e terceiro-mundista. Hoje, o parque escolar está completamente remodelado e modernizado, ajustado aos novos tempos e o poder local até investe (e não é pouco) em estabelecimentos da alçada e da responsabilidade da Administração Central. Antes as estradas eram sinuosas, estreitas e esburacadas. Hoje, são amplas, cómodas, seguras e funcionais. No pretérito, os serviços básicos (água, saneamento…) chegavam a diminutas parcelas do território, mas hoje estendem-se a um ritmo e numa amplitude antes impensáveis, chegando a um número crescente de habitações.

PUBLICIDADE

Em tempos idos, o lazer e o desporto eram apanágio de algumas elites, mas, nos tempos que correm, os polidesportivos, os pisos sintéticos e os equipamentos de lazer e piscinas já cobrem significativas manchas do território e estão acessíveis à generalidade da população. A organização de grandes eventos desportivos, no capítulo da canoagem – Campeonato da Europa, Taça do Mundo e Campeonato do Mundo de Maratona -, com a marca do profissionalismo e da eficiência, unanimemente reconhecida, projetou a Vila de Prado e o concelho na região, no país e no mundo.

A praia fluvial do Faial é uma referência e atrai milhares de veraneantes das mais díspares proveniências. A Feira dos Vinte, na Vila de Prado, readquiriu uma pujança assinalável, atraindo agentes económicos, visitantes e convivas de múltiplas paragens.

A atividade cultural, outrora episódica, floresce agora sob o impulso de um aturado trabalho de planeamento e estruturada por programações consistentes e dinâmicas que também projetam sobremaneira o território e o afirmam como uma referência na salvaguarda, promoção e valorização integrada de tradições, de sinergias endógenas e de um empreendedorismo sem par na região.

A requalificação do antigo edifício da Cooperativa da Vila Verde está em curso e evolui no sentido da emergência de um moderno e apelativo conceito de atividade lúdica, cultural e mesmo socioeconómica multifacetada, com um dinamismo muito próprio que, previsivelmente, irá acrescentar um elevado valor à sede concelhia em matéria de atratividade para diferentes públicos.

A mobilidade sustentável está aí em favor de um paradigma de fruição dos espaços e dos equipamentos urbanos à luz de uma convivência harmoniosa de diferentes utentes e meios de transporte (peões, ciclistas, automobilistas, cidadãos com mobilidade condicionada…), respeitando e melhorando o ambiente e criando todas as condições para que valores inalienáveis, como a segurança e o bem-estar da população local e dos visitantes estejam salvaguardados. As estatísticas falam-nos de números animadores na instalação de empresas no território concelhio e na criação de emprego e o empreendedorismo agrícola é auspicioso.

Ouvir falar disto e de tudo o mais que vai sendo feito (até das lombas e das rotundas), por muitas que sejam as críticas (mesmo quando desconhecem o resultado final de obras ainda em progresso), é bem melhor do que se nós, Vilaverdenses, tivéssemos que ouvir que nada se fazia. Muitíssimo melhor!

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS