OPINIÃO -

OPINIÃO - -

Que Medidas de Promoção e Proteção podem ser aplicadas pela CPCJ

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

As medidas de promoção e proteção estão previstas na Lei de Promoção e Proteção e são de aplicação exclusiva pela CPCJ ou pelo Tribunal (Lei n.º 147/99, de 1 de setembro, atualizada pela Lei n.º 26/2018, de 5 de julho).

Estas repartem-se em dois tipos: as medidas em meio natural de vida – apoio junto dos pais, apoio junto de outro familiar, confiança a pessoa idónea e apoio para autonomia de vida; e as medidas de colocação – acolhimento familiar e acolhimento residencial.

As medidas aplicadas integram um acordo de promoção e proteção. No caso das medidas em meio natural de vida o acordo deve incluir: os cuidados de alimentação, higiene, saúde e conforto a prestar; a identificação do responsável pela criança/jovem durante o período de impossibilidade dos pais ou das pessoas a quem estejam confiados; o plano de escolaridade, formação profissional e ocupação de tempos livres; o plano de cuidados de saúde, incluindo consultas médicas e de orientação psicopedagógica; ou o apoio económico (art. 56.º, da LPCJP). Pretende-se com estas medidas dotar/apoiar os pais a exercerem melhor as suas competências parentais de forma a ultrapassar e superar a situação de perigo em que a criança/jovem se encontra.

A família terá de ser envolvida neste processo, construindo-se com ela os planos de intervenção, fazendo com que esta se sinta parte integrante do processo de mudança. O objetivo é reforçar o meio familiar, a prevalência na família, sendo a responsabilidade parental determinante.

Por sua vez, as medidas de colocação, devem incluir: a modalidade de acolhimento e o tipo de família ou de lar; a periodicidade das visitas por parte da família ou com as pessoas com quem a criança/jovem tenha especial ligação afetiva (art. 57.º da LPCJP).

Aplicando-se estas medidas terá de haver um esforço continuado de reorganização dos progenitores para o regresso da criança/jovem à família.

Em suma e de forma a melhor compreender a realidade, na CPCJ de Vila Verde, no ano de 2018, 90,9% das medidas foram de apoio junto dos pais, 6,9% de apoio junto de outro familiar e 2,2% de acolhimento residencial. Já em 2019, até à data, 83,6% das medidas aplicadas foram de apoio junto dos pais e 16,4% de apoio junto de outro familiar. Estes dados permitem contrariar a ideia “que a CPCJ retira os filhos aos pais”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
3€ / mês

* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 36€ / ano.