NACIONAL (Caso Armas de Tancos) -

NACIONAL (Caso Armas de Tancos) - -

Questionado por Rui Silva, ex-director da PJM denuncia Presidente da República

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O ex-director da Polícia Judiciária Milita, o coronel Luís Vieira, afirmou, esta sexta-feira, que o Presidente da República lhe terá «garantido» que falaria com a ex-Procuradora-Geral da República, depois das suas queixas sobre a direcção do inquérito ao furto de Tancos.

Interrogado pelo deputado do PSD, Rui Silva, que afirmou «não está a ver o Presidente da República a dizer que ia falar com a Procuradora» sobre o assunto, o ex-director da Polícia Judiciária Militar respondeu ter «dezenas de testemunhas».

Após ser ouvido na Comissão Parlamentar de inquérito, Luís Vieira acusou a ex-Procuradora Geral da República, Joana Marques Vidal, de ter cometido «uma ilegalidade» ao retirar a direcção do inquérito à Polícia Judiciária Militar, estando em causa «crimes estritamente militares que ficaram por investigar».

PUBLICIDADE

O ex-director nacional da Polícia Judicial Militar revelou ainda que, na tarde do dia 3 de Julho, falou com o então ministro da Defesa Nacional sobre o assunto, Azeredo Lopes, que lhe terá dito para «aparecer» em Tancos no dia seguinte, pois iria convidar o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a visitar aquela infra-estrutura.

Depois da visita, houve uma «reunião na casa da guarda» na qual, conforme Luís Vieira, o Presidente da República lhe perguntou sobre o andamento das investigações.

Tendo em conta o decorre das investigações, «não podia dizer nada», mas, afirmou Luís Vieira, perante «dezenas de testemunhas», que disse a Marcelo Rebelo de Sousa que estava preocupado com a posição da Procuradora Geral da República sobre a direcção do inquérito, que considerou «ilegal, e que o fez com insistência».

NOTA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Finda a audição, a Presidência da República publicou uma nota no seu site, apontando que, tal como o Presidente da República já «disse várias vezes», no final da visita a Tancos «o então Ministro da Defesa trouxe para junto de si o então Director da Polícia Judiciária Militar».

Durante a audição, o coronel Luís Vieira contou que Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que «ia falar com a Procuradora-Geral da República e deu um conselho ao ministro da Defesa para falar com a sua colega ministra da Justiça».

«Eu partilhei com o Presidente da República do meu estado de alma com a decisão da Procuradora Geral da República ter violado três leis da Assembleia da República, na interpretação que eu faço, e insisti muitas vezes (no assunto) ao Presidente da República».

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.